"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

quarta-feira, 11 de abril de 2012

O que não tem preço




Recebi este pps e por considerar que traz um bom assunto para reflexão quis partilhá-lo com vocês. Esteticamente também está muito bonito.

Reconheço que o horário em que todos vão para o trabalho é corrido, mas será que algumas pessoas não teriam alguns minutinhos para apreciar a boa música que lhes estava sendo oferecida de graça? E se chegassem um pouco atrasados ao trabalho, seria tão catastrófico assim? Eu até convidaria meu chefe para ir até à estação do metrô apreciar também. Afinal nada melhor do que começar o dia com música e funcionários bem dispostos produzem mais e melhor.

Vivendo neste atual mundinho caótico precisamos e devemos ter momentos como os que foram ofertados por esse artista.

A alegria da vida definitivamente não tem preço, não se compra. Reflitam sobre como estão levando suas vidas...



Este blog foi criado para você, leitor. E só saberei se você está satisfeito se comentar os posts, ou então, pergunte, questione e  sugira temas ou modificações.

10 comentários:

Eduardo Medeiros disse...

Oi, Atena, tudo bem?

Essa nossa correria de hoje em dia nos rouba momentos como esse...

Olha, preciso(e vou) ler essas postagens aí em baixo, estou vendo que são temas bem interessantes, é que eu tô brigando com o tempo....rsss

Beth Muniz disse...

Então, sou uma ET!
Sofro porque ando sem pressa e apreciando as paisagens e pessoas.
Para quando ouço o som de algum instrumento, e fico horrorizada com os espaços vazios nas estações de metrô e ônibus, que poderiam ser utilizados por iniciativas culturais. Entretanto, me parece que correr e não viver é uma tendência mundial. Uma pena.
Apesar de tudo e todos, continuarei com o meu passinho e ritmo, em busca de paz física e interior.
Adorei minha querida amiga e Mestra.
Beijo e bom dia.

Atena disse...

Oi, Edu:
Quanto tempo sem encontrá-lo por aqui...
Com as sucessivas trocas dos seus blogs, mais uma mancada minha, acabei perdendo o endereço do último blog seu. Se voltar a comentar por aqui, por favor deixe o atual endereço, ok?
Agora que é pai tem, por obrigação,rsrs de arranjar tempo pra curtir o que realmente interessa: a família.
Abração e bom retorno ao Expansão

Atena disse...

Beth querida:
Então somos duas. rsrs
Eu sou literalmente uma abobada, vivo apreciando o que encontro de belo nas ruas. Resultado: já fui assaltada por isso, estava nas nuvens....
Mas você tem razão, devemos procurar e manter a paz interior.
beijos e obrigada

Mary Miranda disse...

Atena, querida e doce amiga!

Se dependesse de mim, chegaria um pouco atrasada no trabalho sempre! rs
É que aprecio demais essas surpresas do dia, uma música tocada ao vivo, um animal construindo ninho em árvores, um vento que sopra e leva longe um papel... Fico encantada com esses bons imprevistos!
A vida é mais momentos apreciáveis que detestáveis, embora a maioria de nós se prenda tanto a conceitos, normas, e esquece que ela é muito maior que qualquer intempérie que possa existir!...

Beijos da amiga de sempre!!!!
Mary:)

Atena disse...

mary:
Pois é, você, como a Beth, é das que sabe viver bem a vida. Pena que nós sejamos exceção à regra.
Além da correria, consumismo e falta de consciência as pessoas também têm o hábito de valorizar mais o negativo do que o positivo. Aí já viu, né? Estamos neste caos mundial onde pouquíssimos conseguem ter uma vida normal e saudável psiquicamente.
Beijos, querida

Personalíssima disse...

Olá, tudo bem? Vi um comentário seu no 'opinião em foco', gostei da sua firmeza e clareza; depois tornei a ver seu nome na lista de notícias do dihitt e vim cá conhecer seus escritos e gostei, tanto que já te adicionei no meu recentíssimo blog. Sobre esse post: sou do tipo apressada e multitarefas, mas se tem uma coisa que me faz parar é música, amo música, se bem que tem uns estilos que considero mais como barulhos...rrsrs
Ah, se você não gosta dessa sequência de r e s denotando riso, por favor me desculpe, tenho visto que muita gente não gosta.

Atena disse...

Olá Personalíssima:
Seja bem vinda e agradeço o apoio.
A música é sem dúvida a melhor criação humana, pois ela consegue unir as pessoas.
Não me incomodo e uso os r e s porque alguma forma a gente tem de ter para expressar as emoções que acompanham a escrita, contudo não suporto o tal de miguchês (é assim que se escreve?) rsrs
abraços

Yolanda Hollaender disse...

Olá, Atena! A situação que se passou com o violinista, se repete em restaurantes com música ao vivo: as pessoas simplesmente ignoram que ali no palco está um artista... Em contrapartida, já vi vídeos de grupos de cantores e bailarinos que encantaram o público em estações de metrô ou de trem, aeroportos e lanchonetes em alguns países, incluindo o Brasil, em Congonhas, São Paulo. São iniciativas assim que despertam o gosto pela música e tiram por alguns minutos as pessoas de sua rotina, para apreciarem o belo...
Meu carinho,
Yolanda

Atena disse...

Salve, Yolanda:
Sabe um costume que sempre achei bárbaro (não sei se ainda existe)? Nos bares e/ou restaurantes portugueses o dito: "silêncio que vai se cantar um fado".
Sinal de respeito pelo executante.
Acho que o mínimo que a gente pode fazer quando ouve alguém tocando ou cantando é prestar-lhe atenção. Sem falar do efeito salutar para os ouvintes.
Acho que apreciar o belo está fazendo falta no planeta.
Beijos e obrigada pela visita