"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

domingo, 7 de julho de 2013

Cuidado como você percebe o outro, conheça o “efeito halo”

halo

No ano de 1920, Edward Thorndike, psicólogo americano, realizou um estudo sobre como os oficiais das forças armadas avaliavam seus subordinados. Chegou a interessantes conclusões. Percebeu que os oficiais tinham a tendência a atribuir várias características desejáveis ou positivas àqueles subordinados que lhes causavam boa impressão em algum quesito primeiramente. Ou seja, se o sujeito é bom nisso, vai ser bom em todo o resto.

Thorndike então chamou de efeito halo (por causa dos halos dos santos) a esta característica tão humana: o fenômeno pelo qual concluímos que, se uma pessoa faz bem alguma coisa, fará bem todas as outras — e também o contrário, se faz uma coisa mal, fará mal todas as outras.

O efeito halo pode se apresentar todos os dias em nossa vida de relações sem nos darmos conta disso. Também em situações o efeito halo pode aparecer, pois quando as avaliamos, antecipadamente construímos um cenário que dependerá de nossa percepção. Muitas vezes atribuímos uma determinada conseqüência a apenas uma causa, numa relação única e direta de causalidade quando as causas podem ser múltiplas.

O efeito halo é o motivo por trás do seguinte conselho: se você quer se sair bem na entrevista de emprego, cuide de sua apresentação pessoal. Pessoas bem apresentadas e mais atraentes têm mais chances de serem contratadas. Cruel, mas real. rsrs

Não só nas contratações, mas também nas avaliações de desempenho realizadas pelas empresas vamos encontrar frequentemente o efeito halo. Por exemplo: um funcionário que tenha chegado atrasado durante três dias no mês pode ser considerado um funcionário preguiçoso. O efeito halo impede o avaliador de considerar os motivos que levaram aos atrasos.

Pessoas atraentes, ricamente vestidas são geralmente consideradas como pessoas de sucesso, principalmente na atual conjuntura onde a imagem está tão em alta. Os mais inconscientes até acham que tais pessoas são mais inteligentes.

Lembrem que a nossa percepção é influenciada por crenças, expectativas, experiências, traços de personalidade, conteúdos inconscientes, contexto geográfico e cultural, etc. Ao percebermos o mundo exterior nós sempre fazemos uso de “filtros”. O efeito halo seria uma consequência desses filtros.

Associados ao efeito halo vêm os estereótipos tão comuns na nossa sociedade: mulher ao volante, perigo constante; “sem terra” são preguiçosos; político é tudo ladrão; loira burra; e por aí vai ... Qualquer navegada pelas redes sociais nos mostra a quantidade de estereótipos e efeitos halo que as pessoas utilizam. É só prestar atenção.

O efeito halo se manifesta até no que comemos. Não é verdade que quando você escolhe tomates, laranjas, batatas, etc. você escolhe sempre os de aparência mais bonita? O que tem a beleza a ver com a nutrição do vegetal? Pois é....

Na publicidade e propaganda, bem como em campanhas políticas os especialistas no assunto usam e abusam do efeito halo sobre a população que querem atingir. Prestem atenção nas próximas eleições.

Resumindo, o efeito halo é uma tendência que temos para simplificar, associando uma característica isolada a outras e geralmente quando não temos dados suficientes para fazer um julgamento ou avaliação acertada.

Todo o cuidado é pouco quando se trata de efeito halo e estereótipos, pois ambos podem levar a preconceito e discriminação. Atentem à sua percepção para não incorrer em maus julgamentos sobre os demais ou sobre situações.

Consciência!

Imagem: mundogump.com.br

Este blog foi criado para você, leitor. E só saberei se você está satisfeito se comentar os posts, ou então, pergunte, questione e sugira temas ou modificações.

12 comentários:

Victor Silva disse...

Nossa...não tinha lido sobre isso ainda!!Eu Sabia que a gente sempre usava conhecimento raso para falar sobre alguém ou algo...mas nunca soube que inventaram nome para esse defeito feio,que hoje infelizmente é usado com muita frequencia no capitalismo selvagem!!
abraço Atena...adorei a publicação!!

Lu Cidreira disse...

Realmente atualmente esse efeito tem tomado conta dos nossos pares "população" vizinhos dentro da sociedade moderna.
Gostei muito de vir ler sua publicação.
Reflexiva e contundente.
Abraço

Atena disse...

Oi, Victor:
Seu comentário me fez rir. Defeito feio, é? rsrs
Embora não seja uma qualidade, não sei se o chamaria de defeito...é apenas mais uma das nossas características bem humanas.
Obrigada pela visita e abraços

Atena disse...

Lu:
Acho que você tem razão, está tomando conta mesmo. As pessoas estão cada vez mais superficiais e isso dá maior ensejo ao efeito halo.
Obrigada pela visita e abraços

Beth Muniz disse...

Ta...
Creio que precisamos criar a teoria do efeito Tridente... rsrs
Brincadeiras à parte, é a mais pura verdade. Apenas não conhecia o nome...
Mas, como somos todos anjos e demônios, ainda há salvação. kakaka
Continuarei lendo.
Beijo Mestra.

Atena disse...

Sim, Beth, somos todos anjos e demônios, mas no final se salva alguma coisa. rsrs
Beijos

BUYMAZON disse...

Oi Atena,
Interessante seu artigo.
Nada como alguns milhares de anos de evolução melhorando e aperfeiçoando o homem e seus sentidos. Permanecer vivo e saudável, gerando descendentes é a premissa básica para que qualquer ser vivo sobreviva.
Um abraço!

Atena disse...

Olá, Ana:
Concordo com você, são muitos anos de aperfeiçoamento, mas o pior é que precisamos de outros tantos. rsrs
Obrigada apela visita e abraços

lucas cantino disse...

puxa muito obrigado , deve fazer meses que não sinto vontade de comentar um texto como esse , meus parabéns, tenho um caso assim ; um amigo acha que quem é musico e "toca na noite" é capaz dos maiores atos de bravura do mundo QUA QUA QUA , e tive um supervisor que me pegou chegando atrasado umas vezes ,mas mesmo assim me pontuou muito bem em outras coisas, como por exemplo sociabilização

abraços

Atena disse...

Lucas:
Eu é que agradeço sua visita e comentário.
Você dá dois exemplos bons de quem se deixa afetar pelo efeito halo e quem não.
Sorte a sua com seu supervisor. rsrs
Seja bem-vindo e abraços

Giulia Ventorim disse...

Não sabia que existia uma definição para isso, mas já vinha percebendo essa característica tão comum, acentuada naqueles que não têm consciência do poder desse efeito. Muito bons os posts desse blog, me dá vontade de ler todos e comentar.
Abraço!

Atena disse...

Giulia:
Como eu digo sempre: vivendo e aprendendo. rsrs
Obrigadíssima por suas gentis palavras. Volte sempre.
abraços