"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Você trabalha porque gosta ou porque precisa?

trabalho

Hoje vamos expandir a consciência sobre um assunto que afeta grande parte da população mundial: o trabalho.

Durante muitos anos nos cursos que ministrei para funcionários de empresas ouvi constantemente queixas sobre o trabalho que desempenhavam, sobre as empresas onde trabalhavam e também das chefias. Constatei uma insatisfação generalizada com raras exceções.

Perguntava sempre: “mas por que você continua nesse emprego?” Resposta mais comum: “porque preciso trabalhar, o mercado de trabalho está difícil e não sei se me demitindo conseguirei coisa melhor”.

Essas respostas sempre me deixavam insatisfeita e eu entrava em acaloradas discussões com os alunos. Ouvia as mais estapafúrdias justificativas e explicações, cada qual defendendo sua necessidade de continuar no atual emprego.

Ficava muito penalizada porque percebia que boa parte daquelas pessoas sofria com sua situação profissional, mas sentiam-se “travadas” para buscar soluções.

Já ouvi de algumas pessoas a frase: “quando eu acertar na loteria ou Mega Sena nunca mais vou trabalhar”. Sempre fiquei pensando quando ouvia isso: “coitado/a, se isso acontecer mesmo, está cavando um futuro infeliz”. Sim, porque vai ser uma vida vazia e sem realização (exceto se a pessoa se engajar em algum trabalho voluntário).

O bom trabalho, aquele que nos anima, que nos dá prazer, é fundamental para aumentar a autoestima. O grande problema reside no fato das pessoas (boa maioria) procurarem apenas empregos e não trabalho (a diferença está no comprometimento com o que fazem) .

Eu sei, precisamos comer, pagar as contas, etc. e para isso precisamos de dinheiro ... que não cai do céu.

A questão que quero deixar clara é: precisa haver planejamento.

Se estiver num emprego que detesto ou que não me acrescenta nada, ao invés de gastar tudo que ganho com futilidades ou consumismo exagerado por que não colocar uma quantia, todo mês, numa poupança que poderá mais adiante me permitir ficar um tempo sem trabalhar enquanto procuro nova colocação que me será benéfica?

Ah, não sobra nada após pagar as contas? Então vamos fazer o seguinte: ao invés de perder o meu tempo assistindo o Big Brother (ou algo do gênero) por que não emprego o meu tempo livre consultando os sites de emprego que existem na Internet e também fazendo algum curso (existem vários gratuitos) que me proporcione mais chances de empregabilidade?

O povo brasileiro é altamente criativo e empreendedor. Já pensou ou teve vontade de ter um negócio próprio? Atualmente o governo e instituições financeiras estão ajudando muito mais que antes a quem quer ser empreendedor.

Leia, pesquise, vá à luta.

Não fique enchendo o saco dos familiares ou dos amigos com suas lamúrias e queixas da empresa onde trabalha ou do seu chefe.

O mercado de trabalho é vasto e dinâmico e atualmente as empresas estão desesperadas atrás de bons profissionais. Ah, não é o seu caso? Você é um profissional mediano, para não dizer medíocre? Bom, está na hora de mudar se está insatisfeito com seu trabalho atual.

Meus caros, expandam seus horizontes. O primeiro passo é sempre o mais difícil, mas depois você vai engrenando e tudo se torna mais fácil.

Deixe de encarar seu trabalho como somente um provedor de dinheiro, vá atrás de algo que o/a apaixona. Quando fazemos algo que nos apaixona, o trabalho deixa de ser obrigação ou dever e passa a ser diversão.

São poucos, pouquíssimos aqueles que se enquadram nesta categoria, mas converse com algum deles e você dará razão ao exposto neste texto.

Para aqueles que estão engajados no desenvolvimento espiritual: se você está infeliz no seu atual emprego/trabalho, mude já porque ninguém consegue alcançar seu máximo no caminho espiritual se não estiver bem ou contente com todas as áreas de sua vida. E a profissão é uma importante área.

Se sua autoestima está tão baixa que já desistiu de ter um trabalho melhor ou uma vida melhor, leia os posts que falam sobre este assunto aqui no blog e procure também uma ajuda psicológica.

Nós encarnamos aqui para manifestar nosso máximo potencial e ser felizes, porém graças aos nossos sistemas de crenças limitantes vivemos nessa “gaiola de loucos”, contudo sempre é tempo para sair dela. MUDAR!

Torço por todos aqueles que tiverem a coragem para tanto.

Imagem: pixmac.com.br

Este blog foi criado para você, leitor. E só saberei se você está satisfeito se comentar os posts, ou então, pergunte, questione e sugira temas ou modificações.

22 comentários:

Samanta Sammy disse...

Olá Atena !!

Excelente postagem, como sempre !
É um assunto delicado, porém muito importante em nossas vidas.
Já trabalhei muitos anos para ajudar em casa e por causa da necessidade e pelo fato de morar em uma cidade muito pequena, onde não haviam oportunidades, aceitei tudo o que apareceu. Aceitei chefes abusivos, horas extras de graça, funções extras, humilhações, etc, porém nunca desisti porque apesar de não gostar, eu precisava muito mesmo.
Já hoje, como se não me engano, já lhe contei, abri mão de um emprego numa ótima empresa e com bom salário, mas onde eu não fazia algo que gostava. Ganho hoje 3x menos, mas minha qualidade de vida melhorou muito !
Estou procurando um curso pra fazer e aproveitar as oportunidades de uma cidade grande.
Mas te confesso que quando me mudei, mesmo procurando muito, fiquei quase 1 ano desempregada, então é complicado para quem tem família etc, nem sempre a força de vontade basta, a pessoa acaba desistindo ou simplesmente não tem como mudar. Infelizmente muitos estarão onde estão daqui a muitos anos por causa disso.Um pai de família assalariado por exemplo não pode se dar ao luxo de fazer estas mudanças frequentemente, mas também podemos ver pelo lado de que isso foi escolha dele, eu por exemplo só pretendo ter filhos quando minha situação financeira melhorar, e se não melhorar, então não os terei.
Acho que tudo depende mesmo de nossas escolhas , no final e recomendo que quem tiver oportunidade, faça estas avaliações que nos propôs, pois a vida é curta e precisamos dar mais atenção à sua qualidade e na forma como vivemos, para que não fiquemos estagnados somente sobrevivendo :)
Eu passei uns apertos por causa da decisão, mas vale a pena !
Reclamar somente, não adianta, em nada nesta vida, temos que sair do comodismo, perder a mania de colocar a culpa em tudo e assumir as rédeas do nosso futuro :)

Arrasou, como sempre !
Um beijão e boa semana !

Atena disse...

Sam:
Há casos e casos, eu entendo que nem sempre e nem todos podem ir trocando de emprego a qualquer momento, mas este post foi dirigido àqueles que podem e não o fazem.
Esta é mais uma das crenças limitantes que a humanidade tem, a de que precisa da segurança que o emprego traz e isso é uma falácia porque qualquer um pode ser demitido a qualquer momento, a segurança é enganosa.
Você falou bem quando disse que tudo é uma questão de escolhas e é frequente o ser humano fazer escolhas que não lhe trazem proveito. Você, pelo jeito fez uma escolha difícil, mas está aproveitando o momento atual, com mais qualidade de vida. Parabéns, mas eu sei que você é do tipo que tem garra e vai à luta.
Obrigada pela visita e beijocas mil

Mary Miranda disse...

Atena, boa noite!

Amiga, muito providencial seu artigo para aqueles que sofrem pela razão/emoção.
A maré não está pra peixe para ninguém, o que leva a razão (pagar contas, comprar imóvel, etc.) a encarar trabalhos exaustivos que "sugam" a alma...
Sempre fui emoção, e nunca me adaptei a empregos que só trazem o sustento do corpo, e que não complementam o sustento do meu espírito!
Sou, de uns anos pra cá, uma pessoa bem sortuda, que consegue trabalhar para ganhar o pão e também ser feliz em seu local de atividade!
Seu ponto-de-vista é fantástico para a noção de melhoria que todos devemos ter.
Se todos batalhássemos desde cedo para esse pensamento de que é possível estar contente trabalhando, não ouviríamos tanto aquela discurso : "Ganhar na Mega Sena = Não Trabalhar!" rsrs
Mas cada um é cada um, e sem demagogia, sabemos que trabalhar é bem mais gostoso quando não precisamos disso!
A rotina, o compromisso de acordar cedo, chefes enjoados, público e/ou clientela reclamadora, é que faz a dureza do trabalho.
Espero poder sempre atuar no ramo que adoro, que é o magistério.

Beijos, querida amiga!
Já estava com saudades de você!!!!
Andou sumida, hein?

Mary:)

Ravena disse...

Atena,

Que texto bem traçado e tão oportuno. Tem muita gente esperando o fim do mundo porque não suporta mais o seu mundo e não dá o primeiro passo que é reconhecer que "seu mundo já acabou" e mudar.

É sempre o medo a nos empacar e que leva as pessoas a viverem no automático. Reclamar vira um vício e a acomodação uma regra.

Obrigada por dividir sua sabedoria e experiência conosco!

Beijão

Mauricio disse...

Ola Atena!

Gostei do post,

Minha vida profissional é excelente

escolhi a vida de vendedor autonomo, não tenho chefe nem metas,

entretanto não trabalho muito, quando eu faço uma venda que vai suprir minhas necessidades fico dias sem ir na rua, só curtindo o parque da vizinhança

as vezes por isso sinto culpa por usar o segredo para ter uma vida simples e vagabunda,

meus primos e tios que trabalham com a mesma coisa, ganha 10 vezes mais que eu, tem uma vida super boa, mas não consigo ser que nem eles, gosto de fazer nada, meditar ver o mundo, tentar ajudar ele,

mas minha mãe não gosta do meu estilo de vida...

e um dia vou ter que trabalhar a mais pra poder sair da casa dela, pra a energia dela não interferir na minha =/

Valeu!

Fraterno Abraço

Mau

Balaio Variado disse...

Olá Atena!

Parabéns pelo post!

Já escrevi alguns posts em meu blog, referentes ao assunto e Também percebo esta insatisfação da maioria das pessoas.

Infelizmente percebo que a maioria delas, não consegue sair do mundo das regras e conceitos (por vezes falaciósos) do mundo que vivemos.

Muitas vezes a pessoa que trabalha com o que gosta, é vista como uma criatura acomodada.

Na minha opinião, pode ser muito mais cômodo, seguir as regras impostas pela sociedade, do que viver lutando por suas escolhas e remando contra a maré.

Dou o exemplo da medicina, que está sempre em primeiro lugar na escolha dos jovens ou dos pais.

Você acredita que possam nascer muito mais pessoas com dom ou habilidades para a medicina, do que para veterinária ou artes?

Então qual o motivo da medicina ser a primeira escolha? Os motivos são óbvios - Status social e salário.

O resultado é que teremos médicos descontentes, irresponsáveis, infelizes e etc.

Uma idéia falaciosa que incutiram na cabeça da maioria, é de que quem trabalha com amor ou ideologia, não deverá ganhar dinheiro. Ora, então devo presumir que para ganhar dinheiro devo trabalhar sem amor?

É o contrário, pois quem trabalha com amor, torna-se um profissional de qualidade (na maioria das vezes) e deve lutar por melhorias em sua profissão SIM!!!

Amar significa valorizar seu trabalho e buscar condições adequadas para o crescimento da sua área!!!

Bjs
Balaio Variado

Atena disse...

Mary:
Que bom que você é uma das sortudas. rsrs Faz parte da exceção.
Sua profissão é maravilhosa e pela qual tenho o maior respeito e admiração. Quando minha filha era adolescente e disse que ia seguir o magistério, tentei fazê-la desistir porque apesar de minha admiração pela profissão a considero muito difícil e totalmente desconsiderada pela sociedade e governos. Ela fincou pé e hoje é professora do Ensino Fundamental. Vive reclamando das condições, mas adora o que faz. No final é isso o que importa, não é?
Meu sumiço deveu-se a um tempo considerável procurando imóvel para morar, pois retornei à minha cidade. Agora estou voltando à rotina de sempre, felizmente.
Beijos e obrigada pela visita.

Atena disse...

Ravena:
É, além das crenças que nos tolhem ainda existe o medo, esse monstrinho cabeludo... rsrsrs
Viver no automático parece ser a prerrogativa da maioria, o que é uma pena.
Parabéns pelo seu blog, estive visitando-o e gostei muito.
Obrigada pela visite e volte sempre.
Beijos

Atena disse...

Mauricio:
Conheço algumas pessoas que pensam e vivem como você e são todas incompreendidas pela maioria. É o resultado do sistema de crenças em que vivemos. Vivemos num mundo onde sucesso é sinônimo de TER e não de sentir-se feliz e em paz.
Não abdique de seus princípios para agradar a outros, mas se precisar ganhar mais para deixar a casa de sua mãe, procure que encontrará algo que o satisfará financeira e pessoalmente. O mundo do trabalho está mudando, felizmente, então é só uma questão de pesquisar e ter paciência.
Obrigada pela visita e grande abraço

Atena disse...

Ah, Balaio Variado, como você está certa, é muito mais cômodo seguir as regras da Matrix em que vivemos. Muitos daqueles que estão fora desse sistema rígido são julgados como vagabundos.
Quanto à Medicina, é isso mesmo, talvez essa procura por status ao invés de vocação seja a responsável por termos, hoje, médicos tão incompetentes.
Quanto aos que trabalham com arte ... (li o seu post Trabalhar por amor), bem, em nosso país, ainda tupiniquim, arte é considerada supérfluo. tsk tsk
Obrigada pela visita e participação.
beijos

Luciana disse...

Sinceramente Atena!

è muito facil falar. Eu me formei em nutrição. E não consegui emprego em lugar nenhum.. E posso te garantir que não procurar. Eu não aconselharia ninguém a sair deixando seus empregos porque está difícil mesmo.

Agora estou fazendo um curso tecnico e estou gostando , espero conseguir algo dessa vez. E sinceramente eu não me incomodo muito em começar ganhando relativamente pouco e que o primeiro emprego não seja o emprego dos meus sonhos... Contanto que eu comece e ganhe mais autonomia. Ao inves de depender dos meus pais para tudo.

Atena disse...

Florzinha:
Muitas vezes não conseguimos as coisas porque não tomamos as atitudes apropriadas e/ou no momento certo. Veja só, tenho uma prima que se formou ano passado em Nutrição e já saiu da Faculdade empregada e aqui o mercado de trabalho é bem menor que o do Rio.
É sempre uma questão de enxergar as oportunidades e fazer escolhas.
Se você vê que com esse novo curso as chances são melhores, vá em frente, quem sabe o sucesso não virá por aí?
beijos e boa sorte

Luciana disse...

Ora!! é claro que tem gente que consegue!!!

Parabens para a sua prima. Mas eu continuo não recomendando a pessoa sair do emprego se não tiver nada em vista...

Por pior que seja o emprego é melhor do que ser sustentada por outra pessoa...

Mas uma coisa eu garanto. Nãoi sei exatamente porque eu não consegui nada. Mas com certeza não foi por não querer ou não ter feito uma escolha. Isso eu digo com toda a certeza..

E sim, acho que nesse curso as chances são bem maiores...

Blog Teia disse...

Olá Atena.
Postagem divulgada no blog Teia.
Até mais

Luciana disse...

Atena,

Como você já deve ter percebido a maioria das suas postagens eu adoro e concordo de cara. Mas com esse não foi bem assim... Porque trabalho e independência financeira são pontos sensíveis para mim no momento.

No entanto esse post teve um efeito em mim. E me levou a uma postagem no meu blog.

Quando tiver um tempinho de uma olhada no post: Escutando a Voz interior.

R também em outros que ainda não tenha visto...


beijos!!!

Atena disse...

Florzinha:
Deixei comentário pra você em seu blog no post indicado.
beijos

Cidadão Araçatuba disse...

Lendo o título respondi:- Porque preciso! Depois de classifiquei entre os medianos, rs... E agora estou na luta! Troquei recentemente de emprego, larguei o meu antigo onde estive por longos 10 anos! Demorei muito para perceber o quanto atrasado estava. Mas agora iniciei um curso, e pretendo ingressar na área pública. Mas o seu texto é primoroso! Não devemos nunca lamuriar e sim fazer uma autoanálise e ver que o nosso pior inimigo não é o patrão, e sim nós mesmos! Já dei o segundo passo ( o primeiro foi demitir-me!) e espero compartilhar mais adiante felicidade por outra conquista!
Abração!

No cidadão tem "entrevista" com um cardiologista sobre doenças do sistema cardiovascular,espero você lá.

Atena disse...

Sim, caro Cidadão, a grande maioria dos vis mortais trabalha porque precisa, o que não impede que também gostemos de nosso trabalho, né? rsrs
Desejo-lhe muito, mas muito sucesso na nova empreitada. Você demonstrou, ao deixar seu antigo emprego, que batalha pela evolução e isso deve ser recompensado. Torço por você.
abração

Daniel disse...

Olá Atena. Gosto do meu chefe e de meus colegas, e às vezes até do meu trabalho, mas sou obrigado a dizer que:
- Se trabalhar fosse bom, a gente tinha que pagar pra fazer;

hehehehehhe...
Um grande abraço.

Atena disse...

Pois é Daniel, conheço pessoas que gostam tanto do seu trabalho que até pagariam para continuar nele.
O ser humano tem esta característica: sentir-se útil e/ou produtivo, portanto se está sem fazer nada sente-se inútil e pode, como muitos, acabar na bebida "para esquecer".
Se não acredita, faça a experiência. rsrs
Se não gosta do que faz, planeje uma mudança e trate de ser feliz, trabalhando sim.
Obrigada pela visita e abraços

Edinaldo Oliveira disse...

Olá Atena,

Excelente artigo,vi a chamada dele e fiquei curioso...

Confesso que já passei pela fase de reclamar, mas, depois de um longo processo vi que é possível nos adaptar, de uma forma que você não falou no texto: podemos ter uma atividade paralela, mesmo que não remunerada, isso alivia muito a insatisfação com o trabalho. Inclusive, hoje, vejo o meu trabalho de forma bem mais tranquila, posso passar um bom tempo por aqui, pois dou vazão as minhas expectativas na "atividade paralela".

Em relação ao ponto que você falou, sobre guardar uma quantia por mês para poder ter um tempo para trocar de emprego, é mais do que certa...alias, todos devemos ter uma poupança guardada para uma necessidade, de pelo menos 3 a 6 meses de salário. Nem sempre é fácil, mas sacrifícios as vezes precisam ser feitos.

Espero um dia essa minha atividade paralela me dar algum rendimento, aí será perfeito! rsrs

Abraço,

Edinaldo

Atena disse...

Edinaldo;
Bem pensado. Uma atividade paralela pode enriquecer e muito a vida da pessoa.
Sei que muitas vezes é praticamente impossível o indivíduo deixar seu emprego, mas precisamos (para nossa saúde mental)ter prazer no trabalho, então uma atividade paralela ou até voluntariado pode amenizar as agruras de um trabalho não recompensador.
abraços, amigo