"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

O que é estado alterado de consciência - parte II

Castañeda

Dando continuidade ao post anterior veremos agora o que causa estados alterados de consciência e alguns efeitos dos mesmos, a partir do que encontrei em pesquisas e de minha própria vivência.

A alteração da consciência se dá através de: drogas chamadas de psicotrópicas, rituais xamânicos, fervor religioso (principalmente em indivíduos com características histéricas, indução hipnótica (seja por hipnólogo ou pastores de algumas religiões), às vezes pela bebida alcoólica, terapias de regressão, meditação, treinamento por intermédio de práticas e exercícios. Talvez algum outro método que desconheço.

Nos rituais xamânicos são alcançadas ondas Alfa e Teta por intermédio de tambores e/ou chocalhos e/ou cantos. Nos templos religiosos, através do ritmo da fala do pastor e da música é alcançado o estado Alfa. Ver neste post como é conseguido.

Na hipnose propriamente dita, no transe leve é alcançado o estado Alfa e no transe profundo pode se chegar às ondas Teta.

Quanto aos transes de fervor religioso, pelo que se tem de informações dos relatos de santos e místicos parece que ambos os estados Alfa e Teta são alcançados.

Já as drogas psicotrópicas e as plantas chamadas de alucinógenas induzem a estados alterados Alfa e também Teta.

Veja abaixo uma descrição feita sobre o uso da planta Ayahuasca (Santo Daime):

“A gama de alterações cognitivas (efeitos psíquicos) produzidas pela adição do composto, assim como para os demais psicodélicos, varia de acordo com o ambiente (condição externa) e o estado de espírito e personalidade (condição interna) do usuário: as experiências ruins e potencialmente danosas são frequentes entre os usuários recreacionais (ilícitos) enquanto o uso positivo é sumamente verificado no contexto religioso (lícito). Os efeitos são similares aos efeitos desencadeados pelos químicos pertencentes ao mesmo grupo: alterações na percepção visual que podem incluir visões caleidoscópicas, hiper-coloridas e zoons em texturas ou padrões de formação dos objetos; sensibilização sensorial; experiências de despersonalização onde o indivíduo perde a identidade com seu próprio corpo e com os limites do próprio corpo; alteração da noção temporal e espacial; sensação de plenitude consciencial, de unicidade com o universo (cosmovisão); sensações tanto de paz suprema quanto de intenso terror que pode levar a quadros de pânico (má viagem, bad trip); taquipsiquismo (pensamento rápido); pensamento confuso e desordenado; perda do controle emocional etc. (...) Já os efeitos fisiológicos incluem alterações variáveis como o aumento da pressão sanguínea, taquicardia, midríase (dilatação da pupila) e atividades eméticas (vômito).”(http://avisospsicodelicos.blogspot.com.br/2009/06/mescalina-molecula-magica-do-peiotismo.html) ...

As plantas alucinógenas quando consumidas com objetivos espirituais ou religiosos, vai provavelmente ocasionar visões dentro desta temática, entretanto quando consumidas com objetivo investigativo (como foi o caso de Aldous Huxley, livro As Portas da Percepção) irá proporcionar outras visões diferenciadas, dependendo da personalidade e das crenças do usuário.

As chamadas alucinações produzidas pela plantas não podem realmente ter este nome, pois não são produto da mente, mas visões de uma diferente realidade alcançada por outra parte do ser humano que embora a ciência não admita, existe e atua.

Neste sentido posso dar minha declaração pelo consumo de peiote (mescalina): mantive a consciência e lucidez o tempo todo que durou a experiência. Algo que percebi foi que houve diminuição da autocrítica.

Nos estados alterados de consciência o que acontece é termos uma percepção ampliada, onde podemos estabelecer contato com outras realidades que os nossos cinco sentidos não percebem, o que não elimina o fato de elas existirem.

“Nossas expectativas usuais acerca da realidade são criadas por um consenso social. Nos ensinam como ver e perceber o mundo. O truque da socialização consiste em nos convencer que as descrições que estamos de acordo definem os limites do mundo real. O que chamamos de realidade é apenas um modo de ver o mundo, um modo que é sustentando pelo consenso social. Nós sempre vemos o desconhecido nos termos do conhecido.” (Carlos Castaneda)

Sobre a incompreensão ou não aceitação de realidades alternativas:

“Esta questão pode ter, também, ligações com o que Narby denomina de olhar racional ou aproximação racional, que “tende a minimizar aquilo que não se compreende”. Diz o antropólogo que o melhor dos campos de treinamento para esta arte muito conveniente, é a sua profissão: a antropologia. E explica o porquê. “Os primeiros antropólogos consideravam a todos aqueles que viviam na periferia do mundo dito “civilizado e racional” de primitivos e pertencentes a sociedades inferiores. Os xamãs foram categorizados como doentes mentais. A aproximação ou olhar racional é o resultado da idéia de que tudo o que é inexplicável e misterioso é, em um determinado senso, o inimigo. Isto significa que se prefere o pejorativo, e mesmo o erro, a responder demonstrando a ausência de compreensão”.

“Aprendi durante a minha investigação que vemos somente aquilo no que acreditamos e, para mudarmos a nossa visão, torna-se necessário, algumas vezes, mudarmos aquilo no que acreditamos”.(http://avisospsicodelicos.blogspot.com.br/2009/06/hipotese-do-antropologo-jeremy-narby.html)

O melhor material que conheço para conhecer sobre estados alterados de consciência é a coletânea de livros do antropólogo Carlos Castaneda. É riquíssimo em informações que, contudo, necessitam um prévio conhecimento dos assuntos chamados de ocultismo ou transcendentais para que seja entendido o que realmente acontece com o protagonista nas suas diferentes experiências.

Por último uma advertência: não recomendo a ninguém consumir plantas psicoativas sem acompanhamento especializado (psicólogo, psiquiatra ou mesmo um xamã) e nem se tiver ego não bem estruturado. As conseqüências podem ser danosas!

Imagem: http://www.cineconhecimento.com/

Este blog foi criado para você, leitor. E só saberei se você está satisfeito se comentar os posts, ou então, pergunte, questione e sugira temas ou modificações.

17 comentários:

ricardo alves / são paulo,brasil disse...

já havia lido este post a tarde,e agora vejo que ele está em !atalhos para o caminho"...
gosto muito de ver castaneda estampado em posts...
estou relendo " a arte do sonhar " e digo que independente dos mestres,federação galactica e outros,castaneda ainda é o melhor entendimento da vastidão e possibilidades que temos aqui a agora para explorar!

Atena disse...

Ricardo:
Com certeza Castaneda fornece muito material. Suas informações são completamente diferentes daquelas fontes que você citou. Eu também estou relendo toda a coletânea, coisa que já fiz e continuo fazendo porque a cada releitura capto algo mais.
Obrigada pela presença e participação.
sds

DUVENDAS disse...

O uso da mescalina ocorreu em um ritual xâmanico??Uso da mescalina seria semelhante ao da ayahuasca?

Atena disse...

Oi, Duvendas:
Nunca consumi ayahuasca, mas imagino que o efeito seja igual ou parecido.
Não consumi mescalina em ritual algum e sim porque precisava trazer à consciência algo enterrado que estava me incomodando.

Beth Muniz disse...

Nossa!
Fiquei tonta...rsrsrs
Mestra, acho que vou reler Castañeda também.
Não entendo (e não uso) nada disso. Assim, os seus textos são para mim um curso valiosa e com custo zero.
Beijo.
Obrigada!

Atena disse...

Oi, Beth.
Nunca imaginaria que você já leu Castaneda. rsrs
O primeiro livro dele que li foi de ajuda crucial para mim, pois andava morrendo de medo de algumas coisas esquisitas que me aconteciam e lendo o livro perdi o medo.
Beijos

Naiana Máximo disse...

Olá, gostei muito do blog! me ajudou muito na minha pesquisa sobre a diferença de estado alterado e expansão da consciência, pra cumprir minha missão de explicar que Ayahuasca não é droga...obrigada!

Atena disse...

Olá, Naiana:
Que bom que pude lhe ser útil.
abraços e obrigada pela visita

Eduardo Medeiros disse...

Muito interessante, ATena. Mas por favor, esclareça-me a citação:

“Aprendi durante a minha investigação que vemos somente aquilo no que acreditamos e, para mudarmos a nossa visão, torna-se necessário, algumas vezes, mudarmos aquilo no que acreditamos”

Ora, se vemos o que acreditamos(e eu concordo com isto), mudando o que se acredita o efeito será o mesmo - ver-se-á no que se passou a crer. A questão de prova de uma realidade dimensional fora da nossa percepção usual da realidade continuará no campo do "acredito, por isso vejo" - bem parecido com a declaração do apóstolo Paulo: "Cri, por isso, falei".

Então, uma dimensão além da nossa percepção, real e existente pode ser comprovada por tais meios?

E quem pergunta não é um cético radical, como você sabe...rsss

Eduardo Medeiros disse...

já visitou minha revisteca?

Atena disse...

Eu sabia que você lendo esta postagem viria “sarna pra eu me coçar”. rsrs
É, é complicado explicar ou falar sobre outras realidades, elas tem de ser vivenciadas para tomarmos consciência e então acreditarmos.
Quando o antropólogo Narby diz mudar o que acreditamos, ele se refere a ampliarmos nossa consciência para além desse feijão com arroz ao qual nos acostumamos. Acho que não precisamos acreditar, basta estarmos abertos para algo que não nos ensinaram e/ou nunca experienciamos ou então acreditarmos que algo mais é possível.
Eu sempre fui e ainda sou cética, mas quando “coisas” esquisitas passaram a acontecer comigo tive que repensar minhas crenças (condicionamento).
Outra coisa: conscientizamos o que percebemos porque fomos ensinados a perceber desta forma (padrão entre os humanos). Isto é o “acreditar”.
Eu fui criada na religião católica, que não acredita em reencarnação, no entanto hoje continuo não “acreditando”, hoje eu sei que ela existe.
Quando passamos a desenvolver nosso lado “espiritual” (péssimo termo), aos poucos tornam-se mais frequentes as “certezas”. Elas não vem da mente, mas de alguma outra parte nossa (não gosto de dar nomes porque além de serem uma limitação, também não descrevem corretamente).
Bom, Edu, esse papo não cabe em poucas linhas e eu não tenho o dom da palavra também. Fiz aqui o melhor que pude, não sei se me fiz entender.
Abração e obrigada pelos comentários

Atena disse...

Ah, Edu, já visitei a revisteca e fiz download. Ainda não li a revista porque estou sem tinta para poder imprimir.
Depois que recarregar meus cartuchos baixarei mais matérias, pois tem muita coisa boa lá.

Eduardo Medeiros disse...

É, amiga, o tema não é simples. Apesar de eu acreditar em outras dimensões de realidade(aliás, tese defendida até por físicos), creio ser muito difícil que isso seja demonstrado para qualquer um empiricamente devido ao fato que esse "conhecer" é a partir de uma disponibilidade subjetiva para conhecer.

Mas enfim...eu não sei se reencarnação existe, eu sei que encarnação existe, já que eu encarnei quando nasci há 47 anos...rsss

Jura que vai imprimir a revista que baixou? ainda não se acostumou a ler arquivos digitais no computador?

Opseudopoeta disse...

QUE RIDÍCULO!!! Querer explicar "estados aletrados" de consciência para dar sentido em usar drogas!!! O calculo é BEM SIMPLES, cérebro é feito de matéria, então o que faz explicar ele é, obvio, matéria!!! E outra coisa, como podem falar que até físicos aceitam outras "dimensões" sem ao menos entender o que essas dimensões querem dizer, devem ter visto um programa do history channel pela metade e acham que sabem tudo!!! São por causas desas coisas ridículas que atrasam a ciência, acham que tem cabelo em ovo... Como eu disse antes o cérebro, é feito de compostos fisioquímicos, e se ingerir substancias que interferem nessa química ira causar alterações, é exatamente a mesma coisa que tomar uma coisa estragada, vai ter diarreia, vai desregular tudo!!! Se usar dessa "lógica" se usarmos crack para (ridiculamente falando) "expandir a mente" vai ser totalmente aceitável!!! Continuando, tu ainda incetiva o uso de drogas, dando a imbecil desculpa de usar alguma orientação de psicologo, psiquiatra, ou XAMÃ, como assim xamã???? Um "xamã" nem sabe o que é direito a substancia, e ainda vai querer ajudar outra pessoa??? Olha, é bem simples, quer aprender algo??? Pesquise com a consciência inalterada, pois as sensações não não nos dão o conhecimento da vida, universo e tudo mais, mas sim a nossa razão... Como diz Aristóteles no inicio da metafisica "as sensações nos dizem que o fogo é quente, mas não pq é quente".

Atena disse...

Pseudopoeta:
Você não sabe do que está falando, portanto recolha-se à sua ignorância. E por favor não volte para falar mais besteiras.

Blogueiros do Brasil disse...

Orgulhosamente programei uma 'chamada' para este ótimo artigo no site agregador de conteúdo dos Blogueiros do Brasil (( http://omelhordos.blogueirosdobrasil.com/ )).

Será publicado em 27/11/12 , no decorrer do dia.

IMPORTANTE : As visitas aparecerão no
Google Analytics e em outras ferramentas
similares como originadas na URL
http://ads.tt/ .


Abraços cordiais.

Atena disse...

Olá, Tiozão:
Que bom que gostou.
Obrigada pela divulgação.
abraços