"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Continuando a Matrix …

Antes de começar este texto sobre algumas de nossas crenças limitantes devo dizer que pode haver uma rejeição sobre parte do que vai ler, mas peço a você, leitor, que antes de dizer categoricamente que estou errada em minhas colocações, se dê um tempo para refletir.
Lembre que nossas crenças estão fortemente encravadas em nosso psiquismo o que faz com que as consideremos normais e ... corretas.
Vamos começar pela infância.
- Seja bonzinho ou obediente.
Já foi explicado que a raiva é uma emoção natural, portanto é incongruente se pedir a uma criança, que está tendo um furioso chilique, que seja boazinha. Quando passar a raiva ela se acalmará.
Quanto à obediência, a maior parte do que pedimos ou exigimos das crianças vai totalmente contra aos anseios de sua natureza na sua faixa etária, mas os adultos o fazem para sua própria conveniência.
- O estudo vem primeiro, a brincadeira depois.
Como? Toda criança deve brincar e ... estudar se sobrar tempo. Pelo menos até os 9 ou 10 anos. Eu tenho esperança que o nosso sistema de ensino algum dia vai mudar a idade para início do ensino formal (há outras formas de aprender o que precisamos para a vida e não para o Vestibular).
- Estudar para vencer na vida.
O que é vencer na vida? Ter mais posses materiais, cargos importantes ou honrarias? Quantos casos conhecemos ou já ouvimos falar de pessoas que alcançaram tudo isso e são depressivas, drogadas ou se suicidam?
Quem sabe vencer na vida não é ser feliz, saudável (principalmente da cabeça) ou bem adaptado ou realizado com o que faz?
Então vamos crescendo, já contaminados por vários conceitos de certo x errado, bom x mau e continua o torpedeamento de “princípios para bem conviver” em sociedade, ter sucesso na vida ou, no mínimo, não ser internado num hospício por ser diferente.
- Deus ajuda a quem madruga.
Existe sim um consenso que pessoa responsável e trabalhadora deve levantar cedo. Consenso que ignora completamente um ritmo biológico de todos nós: o ritmo circadiano que é diferente de pessoa para pessoa.
- A vida é uma luta, nada cai do céu.
Crescemos ouvindo isso. Incorporamos isso. Convenhamos que aí fica difícil ser feliz, não? Se tudo é difícil, precisamos nos esforçar muito para tudo e aí começam as dúvidas: será que eu posso ou consigo? As 16 horas normais de vigília vão ser suficientes para tudo que preciso fazer?
- Devemos amar pai e mãe.
Por que se eles não fizeram por onde? Amor se conquista, não se impõe. Essa crença já levou muita gente a terapias psicológicas e causa muita culpa quando a pessoa sente não amar pai ou mãe. As conseqüências são limitações de cunho emocional, psicológico e nas futuras relações amorosas.
- Sou muito gordo ou muito baixinho ou muito burro ou incompetente ou ....
Ok, limitações físicas ou mentais existem, mas cada um de nós é bom em alguma coisa. Vamos encontrá-la em vez de ficar tentando algo que está fora do nosso alcance.
- Quem ri muito hoje, chora amanhã.
Por quê? Existe lógica aí? Esta é uma crença oriunda das religiões que durante centenas de anos martelaram a cabeça dos fiéis dizendo que nascemos em pecado e precisamos ser salvos. Para isso precisamos fazer expiações (o uso do silício não é só ficção de Dan Brown – O Código Da Vinci) , sacrifícios e o prazer deve ser combatido (é coisa do diabo).
- Se acontece algo muito positivo foi graças a Deus, se fiz algo condenável foi satanás que me induziu.
Muito triste porque não reconheço minha capacidade de fazer ou trazer coisas boas para a minha vida e muito fácil atribuir minhas pisadas na bola ao tal de satanás, pois me exime da responsabilidade.
Tudo, absolutamente tudo é fruto de nossas escolhas, conscientes ou não.
- Auto-elogio é falta de modéstia ou humildade.
Que coisa mais hipócrita!!!!! Afff
Todos nós temos aqueles momentos em que nos sentimos “o rei ou rainha da cocada preta” e é ótimo que seja assim, pois isso indica momentos, pelo menos, em que a nossa auto-estima está alta.
Algumas outras crenças que também são limitantes:
- Cometer erros me incomoda muito.
- O mundo é cheio de injustiças.
- Tem coisas em mim que eu não consigo mudar.
- Muitas vezes penso que não sou bom o suficiente.
- Rico não entra no céu.
- Dinheiro é invenção do diabo.
- Homossexualismo é aberração, doença, pecado, sem-vergonhice, etc.
- Eu tento, mas não consigo. (É porque ficou só tentando, não fez)
Deu para ter uma idéia do quanto somos condicionados? E o exposto aqui foi só uma palhinha....
Desejo-lhe boas reflexões.
F6B7BDMTJH4T


Este blog foi criado para você, leitor. E só saberei se você está satisfeito se comentar os posts, ou então, pergunte, questione e sugira temas ou modificações.

3 comentários:

Luciana disse...

Muitas vezes penso que não sou bom o suficiente.


Essa com certeza era a minha principal crença limitante. Foi a primeira coisa que descobri no pathwork.

Mas meu caso era muito extremo não era muitas vezes não, era sempre. srsrs

Mas eu já estou bem melhor quanto a isso.

Tiozão das Batidas disse...

Orgulhosamente programei uma 'chamada' para este ótimo artigo no novo site dos Blogueiros do Brasil. O post será publicado dia 11/10 às 12:00 hs .


Abraços cordiais.

Atena disse...

Obrigada novamente, Tiozão.
abraços