"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

domingo, 29 de julho de 2012

O direito ao delírio

kauai

O texto a seguir é de Eduardo Galeano,  jornalista e escritor uruguaio. Texto singelo, palavras simples, mas que retratam excepcionalmente a insensatez da vida humana. Excelente para refletir e expandir a consciência. Essa característica, tipicamente humana, mas que anda tão embotada.

“Ainda que não possamos adivinhar o futuro, sim, temos ao menos o direito de imaginar como queremos que seja. Em 1948 e em 1976, as Nações Unidas proclamaram extensas listas de direitos humanos; mas a imensa maioria da humanidade não tem mais do que o direito de ver, ouvir e calar. Que tal se começarmos a exercer o jamais proclamado direito de sonhar? Que tal se delirarmos, um pouquinho? Vamos a fixar os olhos mais além da infâmia, para adivinhar outro mundo possível.

- O ar das ruas limpo de todo o veneno que não venha dos medos e das paixões humanas;

- Os carros sendo esmagados pelos cães;

- As pessoas não mais dirigidas pelos carros, nem programadas pelo computador, nem compradas por supermercados, nem também assistidas pela TV;

- A TV deixará de ser o membro mais importante da família e será tratada como um ferro de passar ou máquina de lavar roupa;

- Será incorporado aos códigos penais o crime de estupidez para aqueles que cometem: viver para ter ou para ganhar ao invés de viver para viver simplesmente, assim como canta o pássaro sem saber que canta e como brinca a criança sem saber que brinca;

- Os historiadores não mais acreditarão que os países gostam de ser invadidos;

- Os políticos que os pobres adoram comer promessas;

- Ninguém viverá para trabalhar, mas todos trabalharão para viver;

- Os economistas não chamarão mais o nível de vida de nível de consumo e nem chamarão de qualidade de vida a quantidade de coisas acumuladas;

- Os cozinheiros não mais acreditarão que as lagostas amam ser fervidas vivas;

- A morte e o dinheiro perderão seus poderes mágicos e nem por falecimento e nem por fortuna um canalha se tornará um virtuoso cavalheiro;

- Ninguém levará a sério alguém que não seja capaz de tirar sarro de si mesmo;

- O mundo não estará em guerra contra os pobres, mas contra a pobreza e a indústria militar não terá escolha a não ser declarar falência;

- Nenhum país irá prender os rapazes que se recusarem a cumprir o serviço militar, mas aqueles que quiserem podem servi-lo;

- A comida não será uma mercadoria nem a comunicação um negócio porque a comida e a comunicação são direitos humanos;

- Ninguém morrerá de fome;

- As crianças de rua não serão mais tratadas como lixo, porque não haverá mais crianças de rua, as crianças ricas não serão tratadas como se fossem dinheiro, porque não haverá mais crianças ricas;

- A educação não será privilégio daqueles que podem pagá-la;

- A polícia não será a maldição de quem não possa comprá-la;

- A justiça e a liberdade, irmãs siamesas condenadas a viver separadas, serão novamente juntas de volta, bem grudadinhas, costas com costas;

- Na Argentina, as “Loucas de la Plaza de Mayo” serão um exemplo de saúde mental porque elas se negaram a esquecer nos tempos de amnésia obrigatória;

- A Santa Madre Igreja corrigirá algumas erratas das tábuas de Moisés, e o sexto mandamento mandará festejar o corpo, a igreja também ditará outro mandamento que Deus havia esquecido: “amaras a natureza da qual fazes parte”;

- Serão reflorestados os desertos do mundo e os desertos da alma;

- Os desesperados serão esperados e os perdidos serão encontrados, porque eles se desesperaram de tanto esperar e se perderam de tanto procurar;

- Seremos compatriotas e contemporâneos de todos os tenham vontade de beleza e vontade de justiça, tenham nascido onde tenham nascido e tenham vivido quando tenham vivido, sem se importarem nem um pouquinho com as fronteiras do mapa e ou do tempo,

- Seremos imperfeitos porque a perfeição continuará sendo um chato privilégio dos Deuses;

- Neste mundo trapalhão, seremos capazes de viver cada dia como se fosse o primeiro e cada noite como se fosse a última.”

Eduardo Galeano

A UTOPIA é como o horizonte.

Nós o vemos ao longe,

nunca o alcançaremos,

mas serve para que

continuemos a caminhar. (Fernando Berri)

Este blog foi criado para você, leitor. E só saberei se você está satisfeito se comentar os posts, ou então, pergunte, questione e sugira temas ou modificações.

15 comentários:

Sergio Lucrardecasa disse...

Muito bom de ler e de também sonhar com tantas coisas boas.
Melhor ainda seria começar a viver esses sonhos e leva-los ao conhecimento de todos que é possível.
Uma frase de Churchil pouco conhecida e a que a meu ver foi a melhor que ele pronunciou, foi quando ao fim da segunda grande guerra, disse que se a Inglaterra tinha dinheiro para matar, também obrigatóriamente tinha dinheiro para salvar vidas. E daí até hoje que o serviço de saúde na Inglaterra é dos mais eficientes do mundo, além de ser totalmente gratuíto.
Sonhar é apenas o primeiro passo para a realização do sonho, o segundo e não menos importante, é acreditar que o sonho é possível
Abs amiga

Vera Zdanowsky disse...

Lindo texto de Eduardo Galeano. Com certeza, um dia, os que crêem estarão neste paraíso.
Obrigada por me proporcionar este momento de reflexão com a divulgação
em seu blog.
Abs

Atena disse...

Sergio:
É bom mesmo sonhar com isso que o Galeano diz, né? rsrs Mas algumas coisas não são utópicas, são possíveis de concretizar basta haver a vontade. Viver os sonhos!
Obrigada pela visita e abraços

Atena disse...

Oi, Vera:
Não é só uma questão de crer, mas de agir, fazer por onde que chegaremos lá.
Obrigada pela visita e abraços

Portal de blogs Teia disse...

Oi Atena.Post divulgado.
Até mais

Luciana disse...

Quando eu era criança eu gostava de ficar imaginando um mundo utopico.. e esse mundo era tão bom que eu nem sentia vontade de ir para o mundo real..

Me parecia muito melhor meu mundo utopico.. e eu não achava que poderia torna-lo real.. E eu considerava quem achava que podia transformar o mundo pretensioso.. embora no fundo preferisse ser como eles.. srsrs.. Uma dose de pretensão acho que me faria bem.. como bem escrevi agora mesmo.. no texto mais recente do meu blog atualmente.. Quando der de uma passadinha lá..

Atena disse...

Florzinha:
Então somos duas, eu também tinha o meu mundo particular quando era criança.
Não considero pretensioso quem tenta mudar o mundo, mas um sonhador e às vezes os sonhos se tornam realidade.
Irei lá em seguida.
beijos

Luciana disse...

è uma maneira de ver.. mas eu nunca consegui ver querer transformar o mundo como sonhadores.. porque eu não sonhava para mudar a realidade e sim par a fugir dela.. srsrs

Eu ia para meu mundo utopico no fundo queria ficar lá para sempre.. não via como fazer a realidade se tornar esse mundo que imaginava..

Por isso sempre achei que faltava algo nessa importancia toda da imaginação.. Imaginar não significa necessariamente que se tornará real.. pelo comigo nunca foi assim.. Esse imaginar pode ser apenas uma fuga da realidade.. acho que quando é assim fica mais dificil materializar as coisas..

Atena disse...

Luciana:
materializar por intermédio da imaginação ainda não está bem explicado. Às vezes funciona, às vezes não. Eu creio que tem a ver com as crenças inconscientes.

Van disse...

Olá Atena

Genial este texto do Galeano, não o conhecia.

De maneira despojada quase em tom de brincadeira, como é característica das expressões de Galeano, ele fala de sonhos tão sérios, tão necessários, e, alguns tão alcançáveis, caso a humanidade quisesse acordar para sonhar, pois dormindo se vive e neste sono só se vive o sonho alheio de poderes que não são os nossos, tornando reais os desejos que não são os nossos.

Ah! Se a humanidade acordasse para sonhar!

Beijos

Atena disse...

Van:
Você acertou na mosca. rsrs
Os orientais dizem que aqui na Terra vivemos num sonho (maya), isto porque estando no corpo físico não temos acesso ou percebemos todo um mundo muito mais amplo que este.
Adorei sua última frase. Seja muito bem vinda a este espaço onde sonhar é sempre possível.
beijos e obrigada pela visita

ricardo alves / são paulo,brasil disse...

li este texto no blog da sô e venho aqui para parabenizá-lo também pela lembrança desta obra prima!

Atena disse...

Obrigada, Ricardo. Seja muito bem vindo e volte sempre.
abraços

Anônimo disse...

Lindo!Obrigada por fortalecer os anticorpos do meu espírito com essa salutar vacina de Eduardo Galeano!Esse texto me foi recomendado por um amigo,e não me arrependi de lê-lo.É maravilhoso!

Atena disse...

Anônimo:
Lindo também está seu comentário.
Seja bem-vindo/a e volte sempre.