"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

terça-feira, 27 de novembro de 2012

O que é normal?




Este texto se refere a uma mensagem que foi dada a um grupo de shaumbra, canalizada de Adamus (um mestre ascensionado) por Geofrey Hoppe.

É uma mensagem que fala sobre o que somos nós (seres criadores) e também de esperança para toda a humanidade, pois diz que a mesma poderá, assim como os shaumbra, alcançar a sua plenitude.

“Eu sou o que sou, Adamus do domínio soberano.

Tanta coisa acontecendo nos dias de hoje. Muito interessante notar que o mundo está ficando louco e que vocês estão realmente voltando ao normal. Muito interessante sobre o que é normal? 

Normal, o estado normal, é um estado de graça, um estado de ahmyo (sagrado ou divino), onde vocês têm implícita confiança em si mesmos, seja aqui ou onde quer que vão, que vocês estão apenas experimentando a alegria da vida e da criação. Isso é normal. Quando vocês podem ir a qualquer reino e experimentar como é sem sentir medo dele consumir vocês, matar vocês, roubar seu coração ou sua alma. Que a alegria da vida é ser capaz de criar qualquer coisa que vocês escolheram para criar para si mesmos e ter alegria e grande orgulho e honra de sua criação e não se preocupar que a criação é tão grande que vai machucar os outros ou machucar vocês, ser capaz de criar algo e não se preocupar que vá se transformar em um monstro ou num destruidor.

Normal é quando vocês não precisam mais destruir energia em suas vidas, onde vocês podem apenas ser, experimentar, criar, sentir. Ah, isso é normal. Isso é quando vocês estão no comando. Isso é de onde alguns de vocês estão muito, muito perto, voltando para si mesmos.

Vocês tiveram uma longa, longa jornada neste planeta. Uma jornada que tem ensinado a vocês de várias maneiras como não amar a si mesmos, como não confiar em si mesmos, como temer o que os outros podem ter, como temer até mesmo seus próprios poderes.. Isso é anormal.  Então agora vocês retornam à normalidade. Vocês adentram numa experiência sem medo, criar sem reter. É o que está acontecendo, realmente.

Sim, o mundo está ficando um pouco mais louco agora, todos os eventos acontecendo na história da humanidade, todas as mudanças – mudanças de tecnológicas a morais, valores e crenças, mudanças no próprio tecido e fibra da humanidade.

A humanidade ainda é muito, muito mental. A humanidade ainda é preenchida com os seus aspectos (vidas passadas) A humanidade ainda segue os passos de suas encarnações passadas. Eles estão ainda no tubo de suas probabilidades, ao invés de seus potenciais. E está ok. Faz parte da sua viagem. Parte do que eles estão aprendendo, parte do que eles escolheram experienciar. E, como vocês ... um dia dirão: "não mais”.

Não mais. É hora de seguir em frente. É hora de sair desse tubo limitado de probabilidades. É hora de ir além até mesmo dessa coisa que vocês chamam encarnações – vidas após vidas – e hora de ir além do carma. Tempo para absolutamente viver. E a maior alegria de viver é conseguida aqui, fisicamente encarnados. Sim, isso faz com que seja um pouco mais difícil, porque, sim, vocês vão ter mais preocupações sobre coisas como a sua saúde, outras pessoas e o tráfego nas rodovias, problemas de incêndios em florestas, de dinheiro no mundo e todas essas outras coisas.

Mas para serem capazes de fazer isso, para serem capazes de estar aqui neste momento, voltar ao seu estado normal do ser como um criador, um professor e um aventureiro, sem ter uma agenda, sem a necessidade de manipular energias, ah, é sublime. É o que os mestres têm experimentado. É o que vocês estão começando a experimentar.

Então, vamos tomar uma respiração profunda com isso. Uma boa respiração profunda.”

Fonte: Shaumbra Monthly, Adamus – Jul/2012

Imagem: novasenergias.net

Este blog foi criado para você, leitor. E só saberei se você está satisfeito se comentar os posts, ou então, pergunte, questione e  sugira temas ou modificações.

7 comentários:

Luciana disse...

Eu sempre fui meio obcecada por essa palavra.. mas eu usava em um sentido bem diferente desse texto.. Usava para retratar o que a sociedade via como normal.. e por muito tempo eu quiz ser normal nesses termos.. porque não ser normal nesses termos acaba gerando isolamento.. Mas essa visão de normal é mais atraente mesmo.. srsr

eu já li algumas mensagens dessa fonte embora nunca tenha me aprofundado muito.. primeiro porque não consigo me ver como professora ensinando alguém.. E toda vez que eu lia vocês são professores.. eu pensava.. isso não é para mim.. srsrs

E não sei , eu não consigo ver a mente de forma negativa.. de forma tão limitante assim.. Talvez por eu vir de uma família que valoriza muito a mente e por ter sido valorizada por ser inteligente..

Mas sabe as vezes me parece que se eu conseguisse ser racional eu estaria melhor.. por exemplo.. na época do colégio eu ficava insegura na hora das provas.. mesmo sabendo que não teria porque qu eu havia estudado e estava sabendo a matéria.. Então racionalmente eu sabia que não teria o porque de tata insegurança.. então eu não estava sendo racional.. se estivesse não ficaria tão nervosa.. enfim.. eu não consigo ver a mente dessa forma negativa

Atena disse...

Luciana:
Dentro do Círculo Carmesim a gente aprende com os mestres que para podermos encontrar a Divindade ou atingirmos a iluminação precisamos afrouxar a mente. Ela é um empecilho para nós nessa busca.
O que deixava você nervosa e insegura antes das provas era sua mente, portanto não adiantava usar o “raciocínio” para se livrar disso.
Eu entendo sua resistência porque eu sempre fui muito mental também. Ainda sou, mas em constante auto-observação para não me deixar levar pelo meu mental. Após todos os anos em que venho acompanhando os ensinamentos dos mestres, eu entendo e aceito as restrições que eles fazem ao uso excessivo da mente em detrimento do sentimento.
Ah, restringir o uso da mente não diminui a nossa inteligência, acho até que a melhora. rsrs
Procure saber mais sobre o assunto e verá que Adamus está certo no que diz neste texto.
beijos

Luciana disse...

Mas é isso.. eu não consigo ver a mente como culpada pelo meu nervosismo.. porque eu me sentia insegura.. era um sentimento. O meu raciciocinio dizia que não havia motivos para tal sentimento.. enfim isso é complicado para mim..

Tiozão das Batidas disse...

Orgulhosamente PUBLIQUEI uma 'chamada' para este ótimo artigo no site agregador de conteúdo dos Blogueiros do Brasil (( http://omelhordos.blogueirosdobrasil.com/ )).


IMPORTANTE : As visitas aparecerão no
Google Analytics e em outras ferramentas
similares como originadas na URL
http://ads.tt/ .

Abraços cordiais.

Atena disse...

Luciana:
Sentimentos, nervosismo, insegurança, etc. são produto da mente.

Atena disse...

Tiozão:
Obrigada pelo apoio.
abração

Luciana disse...

bem, me parece que vc tem uma ideia da mente diferente de mim.. De certa forma sim porque é questão de neuronio.. neuro transmissores.. vendo assim tudo seria produto da mente.. até a personalidade.. já tem estudos que dizem que o cerebro de introvertidos e extrovertidos são diferentes.. mas quando eu falo mente me refiro mais a raciocinio..