"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Você é produto da evolução de um macaco ou de um desenho inteligente?

Design inteligente

Assistindo ao vídeo que indico ao final, refleti que toda a polêmica suscitada sobre o Design Inteligente não existiria se não houvessem criado religiões na antiguidade. O DI seria hoje uma ciência que nos explicaria cientificamente a criação do Universo (não essa teoria furada do Big Bang) e dos seres vivos.

Vamos, primeiramente, explicar sucintamente o que é o DI para aqueles que desconhecem.

Certas características do universo e dos seres vivos são mais bem explicadas por uma causa inteligente, e não por um processo não-direcionado como a seleção natural". (Discovery Institute)

Alguns biólogos evolucionários concordam que a mutação e a seleção natural não respondem sozinhos pela complexidade da vida, contudo é uma minoria de mentes abertas. A maioria defende com unhas e dentes a teoria Darwinista.

William Dembski elaborou o que, para ele, é um método infalível para detectar design. Esse método é um processo de eliminação que faz três perguntas sobre tudo que é encontrado na natureza:

- há uma lei que o explica?

- o acaso o explica?

- o design o explica?

A resposta da comunidade científica à abordagem dos três argumentos de Dembski para identificar design é quase a mesma resposta ao argumento da complexidade especificada. A maioria dos cientistas observa que ele não é, na verdade, um teste positivo para design, mas sim um teste negativo para eliminar o acaso e a necessidade. O processo de eliminação não pode levar a nenhuma conclusão definitiva no mundo da ciência.

De modo geral, a objeção mais significativa da comunidade científica ao design inteligente como teoria científica é que ele não é empírico. Os cientistas não podem testar, nem contestar, a presença do design. Os cientistas alegam que, por sua natureza, o design inteligente não é um argumento científico, mas sim filosófico.” ((http://pessoas.hsw.uol.com.br/design-inteligente1.htm )

Quem está com a razão? Do meu leigo modo de ver: ambos - até certo ponto.

Parece que a teoria do DI vem desde 1984, mas somente agora alcançou visibilidade. Nos Estados Unidos já causou muita celeuma e inclusive demissões de importantes acadêmicos, como Rchard Von Sternberg que foi forçado a demitir-se do Smithsonian Institute porque publicou um artigo de outro cientista apoiador do Design Inteligente. E, se assistirem ao vídeo, verão que há muitos outros.

O vídeo/documentário é apresentado por Ben Stein (escritor e comentarista político e econômico estadunidense) e sua preocupação ao realizar o documentário deveu-se ao seu temor de que a liberdade de expressão e posicionamento esteja em risco de extinção. Com efeito, se cientistas e acadêmicos não podem manifestar uma opinião contrária à do “stablisment” (teoria Darwinista) sem perder seus empregos, estamos enfrentando o que Ben Stein chama de “Gulag intelectual”.

Nos USA a discussão é acirrada porque os evolucionistas dizem que os seguidores do DI querem, na realidade, que a mesma seja ensinada junto com a evolução em aulas de ciências nas escolas públicas e dizem que o DI nada mais é do que criacionismo sob nova roupagem pseudocientífica.

Além disso, há alegações generalizadas de que a maioria do dinheiro do Instituto Discovery (principal responsável pela divulgação do DI) vem de indivíduos e organizações fundamentalistas cristãs, sobretudo os milhões de dólares doados pelo filantropo Howard Ahmanson, um cristão evangélico.” (http://pessoas.hsw.uol.com.br/design-inteligente1.htm)

Está, portanto, declarada a guerra entre ateísmo e religião. O x da questão é que os evolucionistas ateus se baseiam na bíblia para externar seu repúdio ao criacionismo; no que concordo com eles, pois a bíblia conta histórias absolutamente inverossímeis.

Se não houvessem religiões e a bíblia, o DI já seria aceito há muito tempo, os cientistas teriam prestado mais atenção ao que a natureza nos diz sem o entrave do preconceito. Veja o que diz o post O que é um pseudocético.

Eu acredito na capacidade da ciência de nos revelar o mundo em que vivemos, mas não consigo aceitar cientistas preconceituosos e travados em suas posições pétreas. Isso só atrasa o desenvolvimento da ciência e o conhecimento humano. Não sou bióloga, mas do que li nos argumentos dos seguidores do Design Inteligente, muita coisa faz todo o sentido e as contra-argumentações dos evolucionistas vêm carregadas de repúdio sem oferecer uma explicação mais adequada por falta de pesquisa a respeito. Ou seja, é um assunto que necessita de mais pesquisa, o que não acontecerá se os cientistas fincarem pé em suas posições já estabelecidas.

Esta é uma característica dos cientistas e acadêmicos em geral de todas as áreas do conhecimento humano, colocarem num pedestal intocável suas teorias, postulados, etc. Devemos lembrar o que Schopenhauer já dizia: Toda grande verdade passa por três estágios: Primeiro é ridicularizada, segundo é violentamente combatida e terceiro, é aceita como óbvia.” Até a teoria da relatividade de Einstein foi combatida quando ele a formulou. Lembrar também que a ciência já disse que o Sol girava ao redor da Terra.

Pessoalmente considero a teoria do Design Inteligente muito mais adequada às complexidades dos seres vivos e também do Universo do que a teoria evolucionista e o Big Bang.

Reflitam, pesquisem e tirem sua própria conclusão, lembrando que a mente é como paraquedas, só funciona aberta. rsrs

Este é o vídeo citado: http://www.youtube.com/watch?v=sqmr5qMz7lE

Imagem: http://seteantigoshepta.blogspot.com.br

Este blog foi criado para você, leitor. E só saberei se você está satisfeito se comentar os posts, ou então, pergunte, questione e sugira temas ou modificações.

14 comentários:

Elcio Estevam disse...

Complexo, hem

Atena disse...

Olá, Elcio:
Sim, é um assunto bem complexo.
Obrigada pela visita

Blogueiros do Brasil disse...

Orgulhosamente programei uma 'chamada' para este ótimo artigo no site agregador de conteúdo dos Blogueiros do Brasil (( http://omelhordos.blogueirosdobrasil.com/ )).

Será publicado em 28/05/2013 , no decorrer do dia.

IMPORTANTE : As visitas aparecerão no
Google Analytics e em outras ferramentas
similares como originadas na URL
http://ads.tt/ .


Abraços cordiais.

Atena disse...

Blogueiros:
Obrigada.
abraços

Gabriel Correia disse...

Atena, a diferença entre cientista, filósofo e religioso é o limite que cada um impõe a sua observação. Cientistas optam por só olhar para o chão, filósofos só para o horizonte e religiosos só para o céu.
Os leigos, olham em todas as direções.

pedro goulart disse...

Se o homem veio do macaco, então o cachorro, o boi, o leão, etc... necessariamente se tornarão outros seres; é isso? Se não, o darwinismo está completamente detonado.
Namaste

Atena disse...

Oi, Gabriel,
adorei a frase, criativa e adequada.
abraços

Atena disse...

pedro:
pelo que eu entendo do darwinismo, esses outros animais já são mutação de outros mais antigos. É o que eles (cientistas) dizem.
Obrigada pela visita e volte sempre.

Beth Muniz disse...

Oi Atena,
Ufa! É assustador...
Assisti aos dois primeiros vídeos.
Vou assistir a todos para tentar compreender melhor, tudo.
Construir e derrubar muros físicos é bem mais fácil. Agora, derrubar muros teóricos milenares é um grande e imenso desafio para os que tentam fazê-lo.
Terrorismo intelectual sempre existiu. Apenas não é destacado porque os sinais não são visíveis no físico, mas ferem de morte a inteligência dos pensadores, em qualquer âmbito.
Não conhecia a teoria. Quem sabe encontre respostas para algumas coisas que me incomodam.
Obrigada Mestra, pela oportunidade de abrir o meu paraquedas mais um pouco.
Vou guardar o artigo. Depois de assistir aos demais vídeos espero comentar com mais propriedade.
Beijão.
Bom feriado!

Atena disse...

Querida Beth:
Também fiquei impressionada com o que vi no vídeo. A expressão do Stein é bem colocada: "gulag intelectual".
Vou acrescentar que o terrorismo intelectual a que você se refere não fere só a inteligência dos pensadores, mas se olharmos a História já feriu, inclusive, os seus corpos, sem falar no emocional.
Desde que entrei na faculdade, tenho notado a tendência dos acadêmicos e laureados cientistas em impor suas conclusões e como boa "rebelde" rsrs nunca consegui engolir isso.
Vale a pena você continuar assistindo ao vídeo, é bem esclarecedor.
Beijos e bom feriado pra você também

Eduardo Medeiros disse...

Antes de tudo, o homem não veio do macaco, a teoria da evolução não diz isso; diz que homens e macacos vieram de um antepassado comum.
Eu concordo com o DI; para mim ele é bem óbvio. Já me disseram que a natureza não tem design, que é a nossa mente que vê design nela. Achei um argumento tão imbecil para um biólogo dizer!
Mas a questão é: O DI não pode de fato ser chamado de ciência, pois a ciência não tem método para descobrir design em lugar nenhum. A ciência quer saber com a natureza funciona. Mas mesmo os evolucionistas não negam que há complexidade nos sistemas biológicos, e que a Seleção Natural não é de toda casual.
Se a teoria do Big Bang estiver errada, e há boas evidências de que ela está certa, como a expansão já observada do universo e a radiação de fundo, o que resta seria um universo eterno ou o multiverso. Tudo em matéria de teoria sobre o universo para mim é espantoso.
E essa censura dos evolucionistas contra cientistas que admitem o DI é um absurdo, é uma tentativa de calar o contraditório.
Mas não devemos esquecer, que de fato, quem hoje mais defende o DI são os cristãos; e isso não quer dizer de maneira nenhuma que o DI esteja equivocado por isso, mas tem razão os cientistas ao dizerem que o DI é um criacionismo "elegante" rss

beijos

Atena disse...

Oi, Edu:
O mais importante não é quem veio primeiro se a galinha ou o ovo, mas sim que o meio científico se torne mais flexível em suas "verdades". Se a ciência ainda não tem método para estudar o DI, que tratem de pesquisar mais ao invés de negar a priori. Esse é o ponto.
Não sou cristã, mas considero o DI mais que um criacionismo elegante e sim com excelentes possibilidades de ser a explicação correta sobre o universo e a vida.
Beijos e obrigada pelo comentário. Aprecio muito seu bom senso.

Eduardo Buchs disse...

Procurei sobre o assunto na internet,seria o mesmo que criacionismo x evolucionismo??

Atena disse...

Olá, Eduardo:
De certas forma sim. O DI seria um criacionismo com explicação científica ao invés da religiosa.