"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

O que os nossos pais nos diziam. Ou ... Mensagens Parentais

mandatos

Como já comentei no post anterior, os pais ou pessoas que os substituem enviam às crianças constantemente mensagens que são percebidas como ordens pelos pequenos porque eles não têm ainda suficiente capacidade de discernimento ou juízo crítico.

Em grande parte das vezes em que isso ocorre as mensagens são não verbais, podem ser entonação da voz, expressões faciais ou corporais ou atitudes.

Os pais ou substitutos não têm consciência que estão enviando mensagens (poderíamos chamá-las de metalinguagem) às crianças o que torna o assunto mais delicado, pois não haverá então como evitar que ocorram.

Vou citar alguns exemplos para ficar mais claro como essas mensagens ocorrem.

- Se uma criança pequena, mas que já tem desenvolvimento suficiente para realizar certas tarefas rotineiras, como se vestir, calçar os sapatos, etc. não é estimulada a realizá-las, sendo os pais que fazem as coisas por ela, vai receber a seguinte mensagem: “Não consigo cuidar de mim ou sou uma nulidade”. Crescerá se sentindo uma pessoa menor, não muito capaz e que se voltará para os outros para que resolvam as coisas por ela.

- Quando na infância a criança é impedida de chorar (muitas vezes os adultos se sentem incomodados pelo choro) e/ou de rir muito alto (ser o que as crianças são: espontâneas), quando chegar à fase adulta terá dificuldade em manifestar ou expressar seus sentimentos.

- Muitas vezes os pais ou substitutos obrigam os pequerruchos a dar seus brinquedos ou constantemente repartir suas guloseimas com os amiguinhos (é diferente de ensiná-los a ser solidários). A mensagem subliminar aqui é: “não seja egoísta, nunca se coloque em primeiro lugar”. Tal mensagem gerará falta de amor por si próprio.

- Figuras parentais masculinas, quando tratam mal as esposas e a criança (também do sexo masculino), assiste os maus tratos, mesmo que sejam só verbais, futuramente será aquele tipo de homem machista e que não valoriza as mulheres.

- Pais que não dão suficiente atenção aos filhos estão enviando a mensagem: você não existe ou não merece atenção. Resultado? Futuro adulto com sentimentos de menos valia, baixa auto-estima.

- Uma mensagem muito perigosa e que infelizmente é bem comum: pais que um dia dizem ou fazem uma coisa e no dia seguinte dizem ou fazem o oposto. Ou ainda: o pai tem uma atitude e a mãe uma atitude oposta em relação às solicitações dos filhos. Na cabecinha da criança isso se traduz como: “as pessoas não são confiáveis”. Futuro adulto com dificuldade em confiar e/ou poderá enganar os outros, pois considera que eles também são enganadores.

Eis algumas das mensagens parentais transformadas em Mandatos pela Análise Transacional: "não viva", "não sinta", "não pense", "não cresça", "não seja você mesmo", "não faça", "não consiga" (fracasse), etc. (Portal BrAT)

“Pais muito críticos geram uma criança tímida e retraída. Pais super protetores tornam a criança dependente e insegura. Pais afetivamente carentes geram uma criança culpada. Pais omissos ou ausentes deixam a criança confusa. Pais muito exigentes e perfeccionistas geram uma criança indecisa, hesitante.” (http://www.veiga.net/)

Um fator importante a se levar em conta no tratamento dado às crianças pequenas é que elas são altamente sensíveis às energias contidas nas mensagens verbais que recebem. Se o adulto lhes diz alguma coisa num tom de voz que não corresponde à mensagem, elas perceberão e ficarão confusas, tirando suas próprias conclusões que não serão acuradas porque lhes falta suficiente compreensão e discernimento.

Bem, todas essas mensagens que recebemos quando crianças ficam registradas no nosso HD interno. Muitas ficarão conscientes, mas uma boa parte delas será inconsciente e aí é que reside o problema.

Ao chegarmos à idade adulta temos dentro de nós como se fosse uma “cartilha” de como agir ou se portar frente a determinadas situações sem falar nos sentimentos inconscientes de menos valia, carência, abandono ou como reação: sentimentos agressivos, cínicos, manipuladores, etc.

Felizmente nem todas as mensagens parentais negativas vão gerar problemas ao futuro adulto, pois há um fator chave envolvido: como a criança recebe ditas mensagens. Há essencialmente duas formas básicas: submissão ou rebeldia. A criança rebelde poderá ignorar não todas, mas algumas mensagens negativas recebidas. Vemos, portanto, mais uma vez a importância da nossa percepção. Ela atua influenciando o nosso psiquismo desde a nossa infância.

Finalizando, os mandatos parentais não precisam necessariamente governar o futuro adulto, desde que eles sejam conscientizados, eles podem ser anulados pelo portador. A maneira mais fácil e rápida é por intermédio de uma psicoterapia.

Àqueles que já são pais ou pretendem ser, lembrem que a criança precisa saber que é importante, digna de ser amada e principalmente aceita como ela é.

Imagem: brasilmelhor.net

Este blog foi criado para você, leitor. E só saberei se você está satisfeito se comentar os posts, ou então, pergunte, questione e sugira temas ou modificações.

12 comentários:

Balaio Variado disse...

Oi Atena

Com certeza teríamos um mundo bem melhor se as pessoas se conscientizassem e buscassem informações sobre como tratar nosso futuro. As crianças.

Teríamos um mundo bem melhor, se as pessoas tivessem consciência dos direitos e necessidades das crianças. Dos tipos de problemas mentais ou comportamentais, que explicam muitas atitudes não só de adultos mas de crianças também.

Muitos fatores são responsáveis pela formação de um indivíduo. O problema é que as pessoas se concentram apenas em um ou outro fator e esquecem ou ignoram o restante. Mesmo porque é mais fácil julgar e condenar uma criança, do que buscar informações e soluções para os problemas.

Abraços e obrigada pelas importantes informações!
Balaio Variado

Atena disse...

Balaio:
Muito pertinente seu comentário, percebe-se que é sensível ao assunto.
Infelizmente não existe escola que ensine como educar um filho, o que é dificílimo. No entanto se os adultos amarem e respeitarem as crianças já é meio caminho andado.
abraços

Cidadão Araçatuba disse...

Muito bom o post!Parabéns!

Atena disse...

Obrigada, Cidadão.
abtaços

Valéria Braz disse...

Atena, adorei seu texto sobre as mensagens que passamos inconscientemente..... Nossa responsabilidade pela vida de uma pessoa chega a ser assustadora sabia?
Mas, é sempre bom ter estas figurinhas por perto nos lembrando que eles ainda estão descobrindo o mundo e por isto mesmo, as vezes enxergam mais que a gente!
Beijo no coração

Atena disse...

Valeria;
Crianças são o bem mais precioso que existe sobre a face da terra. Quisera que todos os candidatos a pais, antes de sê-lo, aprendessem um pouco sobre essas mensagens parentais. Haveria pessoas bem mais saudáveis no mundo. rsrs
beijos

Beth Muniz disse...

Quando eu afirmo que você é mestra, logo vem a resposta: Menos... rsrsrs
Mas, diante deste texto, não tem menos nem mais! rsrsrs
Até hoje guardo uma imagem parenteral, que já não me assombra tanto, apesar de permanecer guardada e eu não conseguir removê-la por completo.
Com o passar do tempo, foi aceita por mim e por ela, a minha mãe. Quem bom para nós!
Gosto da sua capacidade de provocar nós, de nó mesmo, em nossas cabeças.
Uma capacidade que poucos possuem.
Obrigada!
Um beijo.

TEIA disse...

Oi Atena.
É muito importante o modo como os pais tratam os filhos principalmente nos primeiros anos de vida.
Post publicado na Teia .
Até mais.

Luciana disse...

Se uma criança pequena, mas que já tem desenvolvimento suficiente para realizar certas tarefas rotineiras, como se vestir, calçar os sapatos, etc. não é estimulada a realizá-las, sendo os pais que fazem as coisas por ela, vai receber a seguinte mensagem: “Não consigo cuidar de mim ou sou uma nulidade”. Crescerá se sentindo uma pessoa menor, não muito capaz e que se voltará para os outros para que resolvam as coisas por ela.

Infelizmente eu recebi essa mensagem. Não culpo meus pais. Eu sei que eles fizeram o melhor que podiam. Apenas cometem erros assim como tidos os outros seres humanos.

Aos 13 anos minha mãe ainda escolhia a rou pa que ia vestir. srsrs. E eu deixava tanto por achar mais fácil e confortavel e também pelo fato da minha mãe ser muito critica. Como ela nunca aprovava o que eu vestia. deixava ela decidir logo para evitar brigas. srsrs

Bem, o importante é que eu estou tomando conscoencia desses padrões.

Atena disse...

Beth:
Temos muitos nós dentro do nosso psiquismo, assim como bloqueios, traumas, etc. O trabalho de qualquer psicólogo é ajudar, quem quiser, óbvio, a desfazer tudo isso para que possamos nos sentir melhor.
Se com este blog eu conseguir ajudar pelo menos uma pessoa já me sentirei contente.
Obrigada por todo o carinho.
beijos

Atena disse...

Teia:
Você tocou no ponto certo: os primeiros anos de vida. Realmente são os mais importantes.
Abraços e obrigada

Atena disse...

Luciana:
Faz bem em não culpar seus pais. Costumo dizer que os pais fazem o que sabem e o que podem. Além do mais é a percepção da criança que acarreta os futuros males, mais do que as mensagens em si. Daí a importância da futura psicoterapia: mudar a percepção.
beijos