"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Quero mudar, mas não consigo

mudanças
Esta é uma das frases mais ouvida em consultório de psicólogos terapeutas.
Realmente o ser humano está sempre almejando mudanças, mas paradoxalmente não gosta de mudanças.
Por quê? Porque a mudança pode ser vista como combate ao tédio, mas ao mesmo tempo significa o desconhecido. O terrível monstro de sete cabeças! rsrs
Todos nós gostamos de viver dentro do que é chamado “zona de conforto”. Ah, e como é difícil sair dela!
Na zona de conforto podemos estar num mau emprego, mas pelo menos estamos empregados (ufa, que alívio) ...
Podemos estar numa relação a dois conflituosa ou aborrecida, mas pelo menos não estamos sozinhos ...
Podemos sentir muita vontade de ter amigos, mas pelo menos não precisamos ter de ser simpáticos ou agradáveis quando não estamos com vontade (isto é o que achamos que é preciso para ter amigos) ...
Podemos odiar os quilos extras do nosso corpo, mas pelo menos não precisamos ir ao fundo da questão que é descobrir por que estamos gordos (o que realmente nos falta ou deixa infelizes) ...
Podemos nos sentir magoados porque os outros nos rejeitam por sermos teimosos, agressivos ou falsos, mas pelo menos não precisamos nos auto-analisar (sabe-se lá quantos monstros e melecas podem sair daí) ...
Enfim, já deu para entender os benefícios da zona de conforto, não é?
Não é fácil mudar e nem se consegue de um dia para o outro, mas quando existe uma forte motivação para a mudança, vá em frente, pois vale a pena.
Cada caso é único, contudo para todos é proveitoso conhecer o como a mudança se processa para pode ter sucesso na empreitada.
Primeiramente aceitamos a idéia da mudança que desejamos no nível mental. Racionalmente concluímos que é a atitude certa a tomar.
Esse período de “digestão” mental varia para cada pessoa e algumas, porque a mudança não acontece, param por aí mesmo.
A mudança não acontece nesta fase porque ela não depende de raciocínio mental, não depende da razão. Por isso técnicas como PNL tem resultados incompletos ou reversíveis.
Se você persistir em seu intento começa o segundo período ou fase – a “digestão” emocional. Você começa a setir alguns efeitos benéficos de suas tímidas mudanças ou alterações de comportamentos e atitudes e isso já o deixa feliz ou ao menos satisfeito.
Se parar por aí, está ferrado. Após algum tempo volta tudo à estaca zero.
Para a mudança se tornar definitiva você deverá entrar no terceiro período – a mudança de valores.
Aí é que “a porca torce o rabo” pois esta é a parte mais difícil, pois valores pessoais levam algum tempo para serem construídos e incorporados ao sistema de cada um.
Uma forma de ajudar nesta fase é o reforço do estímulo. Por exemplo, você leu algum texto ou livro que fala da mudança que quer alcançar, então deixe esse material na sua mesa de cabeceira e releia-o frequentemente. Pode ser antes de dormir, fará mais efeito.
Poderá, também, escrever a mudança desejada elencando todos os benefícios decorrentes da mesma e reler frequentemente.
Este é o método que chamo “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”, rsrsrs , mas não é brincadeira não, é fundamentado em nossos processos psíquicos.
Seja feliz e tenha sucesso com suas mudanças!
Este blog foi criado para você, leitor. E só saberei se você está satisfeito se comentar os posts, ou então, pergunte, questione e sugira temas ou modificações.

25 comentários:

Samanta disse...

Olá queridíssima Atena !!

Belíssimo texto, realmente eu confesso que não sou muito fã de mudanças e fiquei revoltada quando meu terapeuta disse que eu era conservadora !! kkkk
Mas depois analisando bem, vi que ele tinha razão.
Já consegui muitas vitórias, depois de 15 anos fazendo uma atividade profissional que não me satisfazia, chutei o balde e resolvi procurar pelo que quero, parei de pensar nos outros e deixei um egoímozinho vir à tona, mudei também meu temperamento nas relações amorosas que era agressivo e passei a ser mais serena e tranquila, isso tudo me trouxe muitos benefícios e grande aprendizado.
Mas o caminho mal começou e ainda estou digerindo isso tudo, algumas horas parece que vou fraquejar, mas sigo em frente !
Muitas mudanças ainda precisam ser feitas e sei que reluto, mas sou teimosa e vou conseguir, porque tenho foco nos resultados e eles me interessam muito.
Confesso que é difícil pra xuxu !!! Muuuito !
Mas sei que vale a pena !!! :)
Vou reforçar tudo com as suas dicas de reforço de estímulo !

Adorei !!
Um enorme beijo !!!

Victinho disse...

Atena mudar não é fácil mas acredito que a vontade de fazê-la pode ser maior que qualquer desafio,
mesmo que não seja fácil.
Excelente post

Atena disse...

Sam:
Cuidar primeiro de si mesmo não é egoismo, é áuto-estima, pois como vamos amar aos outros sem primeiro nos amarmos? Até mestre Jesus disse isso.
Desejo-lhe sucesso.
beijão

Atena disse...

Victinho:
Com certeza o principal é querer fazer a mudança.
abraços

Marivan disse...

Realmente é uma situação complicadíssima,
principalmente o lado psicológico da pessoa tem que estar em dia senão a vaca vai pro brejo com bezerro e tudo,
ótima reflexão,
serve como um belo auto-ajuda,
foi útil pra mim e será pra muita gente,
abçs do amigo, Marivan!!!!

Beth Muniz disse...

Querida Atena,
Que belo diagnóstico você faz no seu texto.
Pessoalmente acredito sempre na capacidade que o ser humano tem em provocar e concretizar mudanças.
Por formação profissional, aposto sempre no crescimento humano, mesmo com todas as imperfeições que lhe é inerente.
Gostaria de partilhar o texto com os leitores do Travessia.
Se concordar, posto com os devidos créditos e imagem.
Aguardo.
Um beijo.

Jackie Freitas disse...

Olá Atena querida!
Bem, eu sou o meu próprio "case" sobre as etapas e benefícios das mudanças. Já escrevi sobre isso e acho que muitos leram, mas fui viciada em jogos por muito tempo e isso só causou vários tipos de danos a mim e à minha família. O primeiro e mais importante passo para quem deseja, de fato, mudar (independente se viciado, doente ou acomodado) é perceber-se "doente" ou "prejudicado" de alguma forma. Enquanto não se tem a devida consciência, a tendência é ficar trancafiado na zona de conforto e encontrar todas as justificativas para ser "assim ou assado". Depois de dar os primeiros passos, automaticamente uma coisa vai levando à outra e aí as mudanças vão ocorrendo natural e gradualmente. Porém é imprescindível que haja determinação e vontade de superação, senão as recaídas serão freqüentes, o que poderá acumular mais frustrações e dar mais "desculpas" para voltar à tal zona de conforto.
Excelente matéria, minha amiga! Parabéns!
Grande beijo,
Jackie

Atena disse...

Marivan:
Fico feliz que o texto tenha lhe sido de ajuda, pois este é o meu trabalho: ajudar aos outros.
Grata pela visita e abraços.

Atena disse...

Beth:
Como você, acredito no potencial do ser humano.
Seu pedido é uma hora para mim. Sinta-se sempre à vontade para compartilhar qualquer texto deste blog pois a intenção do mesmo é expandir as consciências. Este é o caminho para a humanidade sair do buraco em que se encontra.
beijos

Neusapae disse...

Atena querida, adorei seu post, tem fundamento sim o conteúdo, olha sempre que tentei insistir em algo que somente eu acreditava ,,,,sempre dava errado....depois de muitos anos resolvi olhar o meu interior e percebi que posso viver melhor e não cobrar tanto.
Adorei...parabénsss!!!!!!
Abs.

Mary Miranda disse...

Olá, Atena!

Fiz um mergulho dentro de mim mesma ao ler ao seu post, como se estivesse em algum consultório de um psicólogo.
Como é difícil mudar!!!!
Primeiramente porque quase nunca entendemos quando alguém nos diz: "Você deveria mudar!"
Onde estamos errados o suficientemente para saber que tem algo de diferente ali que atrapalha o semelhante ou a nós mesmos?
Segundo, que uma vez detectado o problema, não sabemos bem o que fazer para conseguir essa transformação de "dentro pra fora", quando o inverso é tão mais fácil, o do "fora pra dentro" porque já vem mastigado pela sociedade, pela vivência dos anos e dia-a-dia.
Terceiro, que se essa mudança tiver a ver com juízo de valores, acabou-se o mundo!
Como, mas, COMO transformar conceituações que nos arrebatam desde a tenra idade, quando chegamos na idade adulta?
E nem falo aqui de dogmas religiosos porque, aí, o comentário se transformaria em post! rsrs
Sinceramente, amiga, tenho sérias dificuldades para mudar conceitos.
Admito ser uma falha minha, porém, me conforto em pensar que já fui mais rebelde do que sou agora.
Aceito mais as pessoas como elas são, tento entender o que ocorre com elas e não faço o chamado 'pré-juízo' para evitar injustiças.
Mas quando olho para o montão de coisas que SEI que devo melhorar, me dá um desânimo!... rs
Mudar é o melhor caminho para o aperfeiçoamento do caráter!
É uma luta diária que devemos ter consciência que não se consegue de uma hora pra outra.
Um tijolinho por dia, até alcançarmos nossos ideais de mudança verdadeira.

Um forte abraço e parabéns pelo post!
Mary:)

Valéria Braz disse...

Amiga.. adorei seu post... confesso que me adapto bem as mudanças, não tenho problema com elas, mas é dificil sim passar pelas primeiras etapas....
Mas vale a pena.... a sensação de tranquilidade e felicidade é insuperável....
Sempre me vigio quando me sinto demais em áreas de conforto.... as acho muito perigosas....
Beijo no coração

Graziella Davanso disse...

Muito bom!!! Simples, direto e reto. O negócio é fazer o movimento para a mudança... Movendo, movendo, movendo as energias... E respirar muuuuuuuuito conscientemente para integrar inteção, sentimento, sensação e vitalidade para que a liberação acontece a mudança se instale...
Um grande abraço

Atena disse...

Neusa, Mary e Valéria:
Fofuchas: obrigada pelo interesse e pelas amáveis palavras.
Mary: vou deixar um mensagem pra você no Dihitt.
beijos a todas

Atena disse...

Graziella:
Que surpresa e satisfação tê-la por aqui. Obrigada pelo bem colocado comentário.
beijos

TEIA disse...

Olá Atena.
Sabe essa tal "zona de conforto", to tentando sair dela, mas é difiiiicil!!!(rsr)
Como sempre um belo post,espero poder retribuir seu conteúdo lhe mandando muitos visitantes novos.
Até mais.

Atena disse...

Alfredo, leal seguidor:
A zona de conforto é pegajosa, ela nos retém e prende, mas continue batalhando.
abração

Histórias & Estórias disse...

Terceiro periodo? Adorei esta.

O que posso dizer é que as mudanças dão medo. O medo é de deixar algo, da terra firme, de um porto seguro, às vezes, nem tão seguro assim, mas costumeiro... A gente se acostuma com tantas coisas...

Enfim, deixar de lado, largar, abandonar e ir em frente não é facil não. Humanos, querida, somos humanos. E quando conseguimos - as vezes nem tudo, mas comente uma parte - é adoravel descobrir que tem um outro mundo lá fora.

Atena disse...

Val:
É, minha querida, faz parte da natureza humana. Estamos aqui para aprender e evoluir. Tudo faz parte do aprendizado.
beijos e obrigada pela visita

Dica Fresca disse...

Gostei do seu blog, vc é muito prestativa com os visitantes... mto sucesso pra ti!!! visite meu blog quando sobrar um tempinho > www.dicafresca.com

Sou Mulher ... disse...

Oi Atena!
Hoje não estou num dia muito bom para comentar nada, mas não pude deixar de fazer isto aqui.
Sabe de uma coisa? Há gente como eu, que encara bem as mudanças. Mudei tantas e tantas vezes de residência, cidade e até estado, e a cada vez,ia aprendendo a me desapegar mais e mais. Eu acho mesmo que,então acabei achando que ver o lado positivo da mudança era coisa boa, dava trabalho e cansaço, mas sempre trazia uma oportunidade de organizar tudo, desfazer do que não servia mais, recomeçar... era isto que me encantava...pra mim, mudança era esperança, era uma aventura no recomeçar. Então comecei bem a coisa.
Só que, comigo foi ao contrário, viu? No meu caso talvez, a grande mudança teria sido colocar um pouco de limite e dizer: Por que não podemos ser felizes onde estamos e mudar só por dentro?Por que esta busca incessante da felicidade,lá em outro canto?
Agora que estou quase com 60 anos, estou cansada de mudar e percebi que,as vezes a gente muda não para ter coisas melhores( ou porque espera por elas), mas porque não tem jeito ou apenas porque não aguenta mais o que está incomodando.E é aí mesmo que "a porca torce o rabo!" Quando incomoda e dói , a gente tem que encarar que o jeito que a gente era, mesmo que nos parecesse heróico, não era o melhor, não nos fazia bem, talvez porque não nos honrasse, e talvez não fosse bom também para o outro, pois não colocávamos limite. Esta é a mudança mais lenta e necessária, e que a gente faz, mesmo sem sair do lugar ( fisicamente falando, não é mesmo?) rsrs..............
Beijos e gostei muito do texto e de vir aqui.
Vera.

Eduardo Medeiros disse...

Atena, tudo bom?

excelente texto, uma verdadeira aula do por quê a zona de conforto é tão confortável...rssss

olha, eu juntei os dois blogues onde eu escrevia num só: botequimdoedu.blogspot.com, quando quiser aparecer, é só chegar.

abraços

Atena disse...

Olá Dica Fresca:
Obrigada pela visita. Irei visitá-la sim.
abraços

Atena disse...

Vera:
Parece que o texto a atingiu. Isso é muito bom, pois trará reflexões e possibilidades.
Fiquei feliz com sua visita e participação. Volte sempre.
grande beijo

Atena disse...

Amigão Edu:
Obrigada pela visita e já visitei seu novo blog, sim. Até comentei.
beijão