"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Por que as mulheres se submetem?

bruxas

Esta história é antiiiiiga...! Mas vamos lá. Nesta exposição vou colocar alguns pontos para serem motivo de reflexão e, ... quem sabe, ajudar algumas a tomarem as rédeas de suas vidas como seres autônomos e com todo o direito às vantagens que até agora somente os homens tiveram.

O patriarcado é antigo. As primeiras evidências dele já constam da Bíblia e de outros registros até anteriores a este. Quando começou eu não sei, por mais que já tenha pesquisado a respeito, mas talvez tenha sido uma revanche dos homens ao matriarcado, se é que tal coisa existiu. As lendas falam sobre ele: mulheres que dominavam, governavam e usavam os homens somente como machos para reprodução. Tenho comigo que toda lenda tem seu fundo de verdade, mas realmente não posso afirmar nada sobre este assunto.

Tenha sido ou não uma revolta contra o poderio das mulheres, o fato é que num determinado momento da história humana o patriarcado se estabeleceu e a mulher passou a ser considerada um ser inferior ao homem e que lhe devia obediência e submissão.

Para aquelas pessoas que só leem a Bíblia, que fique claro que isso aconteceu bem antes dela ter sido escrita e nada, absolutamente nada, tem a ver com o pseudo fato de ter sido Eva a ter comido a maçã. rsrs

Desconfio fortemente que os seres do sexo masculino cedo se deram conta do poder da mulher por serem geradoras de vida (todos acreditavam que só a mulher era a responsável pela vida que carregava em seu ventre, claro que a certa altura notaram que precisava haver o acasalamento, mas a participação do homem continuou por um bom tempo sendo um mistério para os povos antigos).

Reflitam comigo: as mulheres não só carregavam bebês em seu ventre, mas também a cada mês sangravam, sem estarem feridas, e continuavam sua vidinha do dia a dia como se nada estivesse acontecendo. Que raios de ser era esse tão espantoso e resiliente? Acho que devia ser assim que pensavam. rsrs

Desde a antiguidade, em algumas culturas, as mulheres tiveram uma situação mais amena e também surgiram algumas que se destacaram, seja pela inteligência, astúcia e/ou poder. No Egito, na 18ª dinastia, houve um faraó feminino (Hatshepsut)

Posteriormente, na Grécia, sabe-se de uma renomada poetisa – Safo; na antiga Roma mulheres poderosas como Agripina e Messalina (esposas do imperador Claudius). Sem falar da mais famosa: Cleópatra, rainha do Egito.

Apesar do domínio masculino essas mulheres e outras conseguiram se impor ao invés de se submeter.

Em tempos mais recentes encontramos algumas rainhas famosas por estabelecer seu lugar de direito com suas personalidades marcantes. E as mulheres do povo, as plebeias? Ah, essas coitadas sempre foram submetidas e se submeteram,

E quanto aos dias atuais, por que as mulheres continuam em posição inferior ao homem? Minha teoria é que o homem se sente inferior à mulher num ponto chave: o sexo. O coitadinho do Freud dizia que a mulher tem inveja do pênis (foi uma ótima racionalização que ele encontrou para seus próprios problemas), mas na verdade eu acho que o homem é que tem inveja da mulher por dois motivos: 1) ela pode carregar a vida dentro de si e 2), no mesmo período de tempo, enquanto o homem tem um orgasmo a mulher pode ter dez ou mais. Fisiologicamente eles já nasceram prejudicados no assunto. rsrs Diz o ditado que a melhor defesa é o ataque, portanto o patriarcado continua atuante para se defender das “perigosas” e “superiores” mulheres.

No lado ocidental do planeta também temos de levar em conta o fator religião como determinante da crença na posição inferior e perigosa da mulher. Todas nós carregamos em nosso DNA a crença de que somos pérfidas, dissimuladas e perigosas porque podemos fazer pacto com o “diabo”. Existe um livro que esclarece bem este assunto: O Martelo das Feiticeiras ou Malleus Maleficarum. Escrito na Idade Média, relata como a mulher era vista pela igreja e todos os horrores que fizeram com as chamadas “bruxas” da época.

Nós todas herdamos esses conceitos distorcidos, claro que não são conscientes, mas com certeza atuam brilhantemente para nos fazer sentir inferiores e carentes da “proteção” masculina. Resultado concreto? Mulheres que sofrem diariamente a violência masculina, seja psicológica ou física, seja em casa ou no trabalho.

Portanto, meninas leitoras, o primeiro passo para declarar seu “grito do Ipiranga” é tomar consciência de que vocês têm em seu inconsciente crenças destrutivas e limitadoras que vem dos tempos antigos. Com este conhecimento, vocês então comecem a refletir se estão se deixando subjugar por elas ou não.

Todo conteúdo inconsciente atua no nosso comportamento de forma sutil, precisamos estar muito atentos para detectá-los, fazendo autoanálise constante, e a partir daí nos livrarmos deles.

Quanto mais ignorante e atrasada é uma cultura, mais a mulher é oprimida e submetida à violência do macho. Numa escala de zero a dez, quanto a este quesito, qual vocês acham que seria a pontuação de nosso país?

Imagem: eluscohen.zip.net

Este blog foi criado para você, leitor. E só saberei se você está satisfeito se comentar os posts, ou então, pergunte, questione e sugira temas ou modificações.

26 comentários:

Luciana disse...

Quanto a nota do país eu não sei

Mas sabe acho que é pór isso que não sinto a menor vontade de namorar... Se forpara namorar alguem machista prefiro não namorar. srsrs

Bell disse...

a mulher tem todo o poder, e talvez isso de certa forma irrite o homem. a mulher amadurece mais cedo, temos o dom de dar a vida, fazemos muitas coisas ao mesmo tempo, pensamos mais rápido, está aí pra quem quiser ver, a mulher sabe fazer de tudo, mas algumas ainda vivem nas crenças do machismo(qe a mulher deve ser submissa ao homem).
Sobre a igreja, acho que eles sabiam que a mulher tinha/tem mais vinculo com a natureza, com o universo, e tentaram mostrar aos outros que aqilo era vinculo com o diabo(época das bruxas), pois hoje está claro que não queriam e não querem que evoluimos, nós querem aprisinados.

Mary Miranda disse...

Oi, Atena, que post incrível!!!!

Fiquei lendo e relendo as passagens mais elucidativas; adorei tudo!
Amiga, creio que a subjugação feminina venha da força física do homem, que atua, infelizmente, na esfera da brutalidade, e logo no início dos tempos, eles descobriram que tinham uma força proporcionalmente maior em relação às fêmeas...
Mas basta usarmos a cuca, que nós, o clube feminino, mostramos que também somos capazes, nem melhores, nem piores que eles; apenas gente...
Penso que não há superioridade alguma em se carregar um ser dentro de nós: enjôos, incômodos pra dormir, deformação do corpo, etc., não são motivo de júbilo...
E os tais orgasmos femininos (temos direito a uns 52 por transa!), são difíceis de se alcançar; algumas não conseguem nem um! rsrsrs
O que não quer dizer que ser mulher seja ruim(ADORO SER MULHER!), mas também não há vantagem nisso, como não há vantagem em se ser homem...
As idiossincrasias de cada gênero são explicadas pelo aspecto espiritual, num revezamento justo através das encarnações (precisamos experimentar ser homem e mulher para entendermos os 'sofrimentos' de cada sexo), o que significa que cada dor, seja de macho ou fêmea, servirá para o aperfeiçoamento vindouro.
Já houve um tempo, lá bem pra trás, que a família era matriarcal, e até hoje existem tribos em que a mulher tem o direito de possuir vários maridos ( a poliandria).
Resumo da ópera: nós, mulheres, temos que usar nossos cérebros e enriquecermos mais o nosso gênero feminino!
O domínio masculino só poderá acabar assim...
Sobre a pergunta, de escala de 0 a 10, o Brasil leva 5! (Acho que já avançamos ao menos a metade... rsrsrs)

Beijos, querida!
Obrigada pelo post tão inteligente!!!!
Você é uma dessas que enobrecem a classe feminina!

Mary:)

-*Vera Luz*- disse...

Olá amiga Atena!

Ainda hoje me lembrei de você e quando vim enviar um recadinho, me deparei com sua postagem! Pra mim isso tudo tem haver só com crenças e guerras! Você sabia que no 'Tibet até a invasão chinesa era uma sociedade matriarcal e poligâmica, as mulheres podiam ter mais que um marido. Isto provocava uma valorização ínfima do homem uma vez que a mãe era a mulher e o pai ninguém sabia quem era. O homem era o trabalhador e o protetor da mulher e esta podia dispensá-lo no momento que quisesse. Por isso o sonho de toda mãe tibetana de homem era que o filho fosse aceito no monastério onde teria algum valor.' A minha visão é que hoje as mulheres querem revidar tanto o que nem sabem o que, que estão abertamente a um mundo profano, onde pensando em se libertar, estão escravas das imagens, achando que com isso vão ganhar alguma coisa e só estão é favorecendo as discórdias e desunião cada vez mais! O que precisamos é entender que todos estamos mergulhados nas dores da Alma mesmo e é com isso que se faz necessário independente de homem ou mulher, todos nós precisamos de tratamento destas horríveis dores que nos tomam conta e nos fazem mergulhar neste fel, cruel, e é assim que estamos vivendo nos dias atuais. Mas, enfim creio que a luz está em tudo e a consciência já está se ampliando cada vez mais e aos poucos vamos entendendo que todos somos um. Estas diferenças são tão iguais as discórdias religiosas e tudo isso só provoca ira, ressentimento, mais ódio e mágoa, e o que queremos é união, compreensão, aceitação, conhecimento, para ganharmos de vez a força do Amor que lateja e pulsa por vida e é para isso que aqui estamos! Me desculpa o desabafo querida, mas o assunto é mesmo para se refletir muito e não pense que é para o mau é ótimo falarmos e quanto mais conhecimento, mais se fará a compreensão de todos os pontos necessários para a cura humana! Muito obrigada!

Um abraço,
"Todo o Conhecimento é Luz que Inspira a Alma" -*Vera Luz*-

sissi . disse...

Ola, Atena adorei o texto, nos mulheres temos que explorar ainda mais esse assunto, eu acredito que isso vem tambem de criação, as mães deveriam criar seus filhos menos machistas, mais cavalheiros, nao tratando a mulher como um pedaço de carne, como a tv insiste em mostrar. Acredito tambem que as mulheres deveriam ser menos emoção e mais inteligencia, existem muitas mulheres em presideos por causa de namorados, ate maridos, por causa da emoção.
E em primeiro lugar se amar, amar sua propria companhia, para depois amar alguem.
Paz e Luz

Atena disse...

Florzinha:
Nem todo homem é machista. Aposte, arrisque. A vida deve ser vivida sem temores, pois eles nos deixam paralisados.
beijos

Atena disse...

Bell;
Concordo com você. O sexo masculino sempre desconfiou que somos poderosas, mas acho que já está mais do que na hora de vivermos em igualdade de condições.
Quanto à igreja, você acertou na mosca. rsrs
Abraços

Atena disse...

Mary:
Sim, o homem deve sempre ter tido noção de sua superioridade física no fator força, mas só isso não seria o suficiente para estabelecer a dominância masculina.
Quanto a carregar a vida no ventre, concordo com você, dá trabalho e incômodos para algumas, mas como boa parte dos homens não sabe disso, eles provavelmente veem de forma diferente.
Com certeza experimentamos ambos os sexos nas nossas encarnações, o diacho é que a gente esquece, né? rsrs
Atualmente estamos vivenciando uma época em que devemos equilibrar nossas polaridades para que possamos entrar numa nova era de mais paz.
Obrigada pelo elogio, é que como sou bem equilibrada nas minhas polaridades, não tenho nada contra os homens, apenas fico triste quando vejo algumas mulheres em situações de menos valia.
Obrigada pela participação e beijos

Atena disse...

Vera:
Sim, estamos vivendo em tempos de grande discórdia, onde cada um olha primeiro para o próprio umbigo. Felizmente a consciência está aumentando e cada dia mais pessoas do bem estão contribuindo para melhorar a situação em que vivemos.
A igualdade entre os sexos deve se tornar uma coisa normal e aceita por todos e aí incluo também os homossexuais e transsexuais.
Com o aumento da consciência chegaremos a esse estágio. Talvez demore um pouco, mas ...chegaremos lá.
Você disse bem, o ser humano necessita ser curado.
beijos

sissi . disse...

Ola, Atena, eu nao disse que todo homem é machista, de maneira alguma, mais quase todos sim.
São criados de forma machista, odeiam ganhar menos que as mulheres, existe muito preconceito em ajudar mulheres nas tarefas diarias, com a criação e educação dos filhos, mulher sair com amigas então, aff... etc, etc, etc, e muito mais. Sou casada e tenho um filho homem, tenho muito cuidado quanto a educação dele, para não ser mais um machista no mundo.
Paz e Luz

Daniela Jinno disse...

Atena! Obrigada por esse texto. Vc não sabe como fico feliz e aliviada em saber que existem muitas mulheres que não se submetem ao machismo e controle patriarcal da sociedade... Sim, porque até mesmo as mulheres são machistas... e portanto submissas. Esse "conflito" de ser respeitada como uma mulher inteligente e soberana está acontecendo comigo no momento, de uma forma muito intensa. Homens que querem me submeter ao controle e a manipulações mesquinhas e egoístas... Mas estou firme na minha, sem descer do salto, porque infelizmente se desço, eles me humilham. Uma energia masculina se fortalece cada vez mais dentro de mim, me dando equilíbrio necessário. E o que percebo é que quanto mais forte e soberana, mais esses machões quebram a cara e se abrem à energia feminina deles. Sem essa nossa dignidade, não haverá equilíbrio entre as energias. Mulheres, se respeitem e se valorizem!!! Bjos

TEIA disse...

Oi Atena
Seja bem vinda.
Quanto ao texto:
Igualdade entre os sexos nunca vai existir,somos diferentes,isso é fato,cada um tem seu pró e contra,acredito que deva ter bom censo entre ambos.
Não devemos ser iguais,devemos completar um ao outro.
Post divulgado
Até mais.

Beth Muniz disse...

Oi querida,
Belo texto.
Quanto ao país, creio que nos últimos tempos temos avançado muito. Mas, ainda há um caldo de cultura a nos incomodar.
Acredito que com o tempo conjugaremos o verbo em outro tempo: “Porque as mulheres se submetiam...”
Acredito. Só não sei se viverei para ver. Rs
Mas, estou contribuindo com uma sementinha...
Beijão.
Bom final de semana.

Apaixonados disse...

Olá Atena!

Saudades! E a mudança? Ocorreu tudo bem?

O post ficou ótimo. Sobre a nota para o nosso país, daria uns 5. Acredito que seja uma nota até alta, porém, no meio que nasci e vivi até hoje me motiva a dar essa nota. Meu pai sempre mandou na minha mãe e cuidou da parte financeira só. Minha mãe foi criada com o pensamento de que a mãe é submissa e ela até tenta passar isso para mim, porém, não consigo entender nem admitir tais pensamentos.
Acho que um dos maiores problemas no nosso país é a não divulgação dos problemas. Acontece o mesmo com o racistmo. Muitas pessoas pensam uma coisa mas não assumem o que torna difícil debater tal tema publicamente. Muitos pensam que as mulheres são sim submissas, porém, não falam. As pequenas atitudes denunciam, mas não tem coragem de dizer o que pensa pois muitos não possuem argumentos para justificar tais atitudes. Tais pessoas se fecham e então, continuam agindo do mesmo jeito de sempre...

Ótimo texto!
Beijos
Thai

Atena disse...

Sissi:
A resposta que você considerou como ao seu comentário é para a Luciana, que eu chamo de Florzinha. rsrs
Como ainda estou em fase de mudança, tenho me atrapalhado um pouco em atender a vocês, leitores, e a todos os outros compromissos que estão aparecendo.
Você colocou bem que muitas mães educam os filhos de forma machista e existem mulheres machistas também.
A criação tem seu peso no futuro comportamento dos filhos, mas não é um fator determinante. Conheço mães que não deram orientação machista aos filhos e eles assim se tornaram quando chegaram à idade adulta.
O fator principal que interfere e prejudica algumas relações é a ausência de respeito. Ambos, a mulher e o homem devem respeitar o seu gênero oposto para assim conviverem melhor.
Desculpe o engano originado no comentário.
beijos

Jackie Freitas disse...

Olá minha querida Atena!
Não sei, amiga...para mim, tirando os extremistas que são dominados pelas religiões que colocam o homem num patamar diferenciado ao da mulher; acredito que as coisas estejam mudando. Talvez por força das novas gerações e da própria realidade das mulheres, hoje, saírem para trabalhar, sustentarem lares, filhos e até mesmo maridos...rsrs. Por ocuparem posições que antes eram somente masculinas (vide o governo de nosso país!).
Pode até ser que eu escreva uma grande besteira agora, amiga, mas vou relatar o que eu sinto...
Fui casada com judeu. Convivi nessa comunidade por 8 anos e todos sabem que esse povo pratica a segregação. Nas sinagogas mais ortodoxas, mulheres JAMAIS se sentam ao lado dos homens! Quando estive nos EUA, visitei um bairro de judeus, cujos ônibus eram divididos (homens X mulheres). Nas festas religiosas, sempre o patriarca comanda, enfim...tudo teoricamente é dominado pelo homem. Entretanto, as mulheres possuem (mesmo que nos bastidores) um poder absoluto,pois os tais patriarcas não agem e nem tomam decisão alguma sem antes consultarem às mulheres! Uma vez (já comentei isso) assistindo ao filme "Casamento Grego", confirmei essa minha "observação" quando numa das passagens, a matriarca diz mais ou menos o seguinte: "os homens pensam que comandam. Consideram-se a cabeça da família; porém, toda cabeça é movida pelo pescoço. É o pescoço que determina o lado que ela se movimenta, então assim somos nós: o pescoço! Damos o comando e a direção..." Bem, quando fui corretora de imóveis...rsrs...nunca fechávamos negócio sem a presença da mulher! Porque havia uma estatística de que todos os negócios que não eram aprovados pelas mulheres (esposas, namoradas, noivas e até mãe) eram cancelados! Aqui em casa, apesar de meu marido ser o "chefe" da família, o provedor do lar; jamais toma decisão alguma sem me consultar...e, acredite, se eu disser não, é não mesmo! rsrs...
Claro, não estou falando das mulheres que PERMITEM viver sob violência e agressão. Aliás, esse é um assunto que sou mais radical e tenho um ponto de vista que foge um pouco do normal... Acho que esse tipo de submissão tem a ver com fraqueza pessoal e não com o "histórico" da classe feminina, ou seja, mulheres não nasceram para submeterem-se e para algumas dessas mulheres, isso acabou virando desculpa padrão para justificar suas fraquezas! Ponto de vista MEU!
Claro que de uma forma ou outra, a sociedade ainda tenta reverter essa libertação e consciência feminina, usando dos valores e cultura de seus antepassados; mas hoje, na era capitalista o que manda é dinheiro e tanto mulheres quanto homens possuem direitos e chances iguais de estudo e trabalho...
Não sou feminista, não gosto dessa bandeira porque ela, para mim, acaba sendo (em muitos casos) tão extremista quanto a visão dos fanáticos religiosos...
Acredito que as mudanças estão apenas mais claras e visíveis, mas as mulheres (de uma forma ou outra) sempre estiveram no comando (nos bastidores ou na frente) de decisões.
Sei lá, minha amiga... Minha visão é essa! Não sou muito de aceitar submissões porque não nasci assim, não fui criada desse modo, embora tendo uma educação rígida, não faz parte de minha essência (que sempre foi contestadora).
Grande beijo e parabéns pelo texto, como sempre muito bem escrito!
Jackie

Atena disse...

Daniela:
Dignidade é importante, mas mais importante ainda é a integridade. Se você é íntegra (inteira) consigo mesma, se respeitando e se amando, homem nenhum vai tirar você do seu “salto”.rsrs
Manipulações e jogos psicológicos ambos os sexos fazem. As pessoas ainda se relacionam de uma forma pouco evoluída, amor possessivo ao invés de amor incondicional.
O homem e a mulher foram criados para caminharem lado a lado e não um à frente do outro. Se todos reconhecessem isso, todos viveriam bem melhor em duplas.
Dani, lembre que eles são “prejudicados” de nascença rsrs e tenha mais paciência. rsrs
beijos

Atena disse...

Alfredo:
Claro que homens e mulheres não devem ser iguais, mas poderiam ser tratados com igualdade, não é? No nosso país, por exemplo, a Constituição garante isso, só que não é obedecida.
Obrigada pela participação e abraços

Atena disse...

Beth:
Você e outras tantas mulheres maravilhosas, algumas blogueiras, estão contribuindo e muito para que no futuro (esperamos que próximo)haja mais isonomia entre os sexos.
Obrigada pela visita e beijão

Atena disse...

Thai:
A mudança correu bem, o que deu errado é que levou duas semanas para finalmente ter internet em casa. Minha caixa de correio está entupida até o gargalo. rsrs
Você tem razão quanto à falta de divulgação de certos problemas, mas acho que os blogs ou a web em geral vieram para sanar esta falta.
Já reparou o selo recebido de vocês na minha página? Com o devido link. Obrigada di nooovo. rsrs
beijos

Atena disse...

Jackie:
Este post foi inspirado por alguns programas de TV que assisti onde se discutia a posição da mulher nos dias de hoje. Existem estatísticas demonstrando que mesmo nos países do dito primeiro mundo as mulheres têm salários inferiores aos dos homens.
Sim, as coisas estão mudando em alguns setores, mas no geral, se levarmos em conta o globo (países do oriente e africanos) todo, as mulheres ainda estão num patamar inferior ao dos homens, sem falar na violência contra elas que têm seus índices aumentados atualmente. Como disse a amiga Thai, muitos problemas não são devidamente divulgados, pois vivemos numa sociedade altamente hipócrita, onde fica mais fácil colocar panos quentes sobre as coisas ou simplesmente ignorá-las para se ser politicamente correto.
Admiro o otimismo demonstrado em seu comentário, no meu modo de ver as coisas o otimismo é uma coisa boa. Este post não tem a intenção de estimular as diferenças, mas de servir de alerta para algumas companheiras nossas.
Você está absolutamente certa quando diz que “no frigir dos ovos” rsrs quem manda mesmo é a mulher. Sempre foi assim e ainda é, mas aí voltamos à hipocrisia generalizada e todo mundo faz de conta que as coisas são diferentes.
Vou discordar de você quanto ao que chama de “fraqueza” de algumas. Pode até ser fraqueza, mas motivada por algum conteúdo inconsciente que pode estar ligado aos temas que abordei no texto.
Quanto ao feminismo, creio que mais atrapalha do que ajuda, pois não promove a integração e harmonia entre os dois lados.
Agradeço sua participação, brilhante como sempre.
beijos

Cidadão Araçatuba disse...

Olá quanto tempo heim?
Atena li o texto recomendado,foi esclarecedor e pelo que entendi, uso um pouco de cada "ferramenta" lá descrita!
Obrigado pela atenção!
Quanto ao texto acima,(só eu representantes dos opressores? Ih, lascou!),acho as mulheres maravilhosas, seres iluminados, moldados com racionalidade,compreensão, amor e uma pitada (grande) de loucura!Não necessariamente nesta mesma ordem, ok? Rs...
O fato é que em alguns dias do mês, não sei o que acontece,quer dizer até sei, mas demoooora, vocês elouquecem, como podem brigar com o podre e desprotegido marido, só porque ele lavou a louça e passou bombril naquela panela nova de inox? Isso é crime? Rs...
Pobre marido, foi sumariamente executado!
Ótimo texto, tem que reinvidicar mesmo, assumir mesmo!
Grande abraço!

Atena disse...

Caro Cidadão:
Quanto ao outro texto: todos nós usamos todos aqueles mecanismos de defesa. É absolutamente normal. Só se orna desequilíbrio quando alguém usa algum deles de forma demasiada.
Quanto àqueles dias do mês das mulheres, muitas fazem disso um drama e aproveitam para tirar vantagem. Melhor política: beijinhos no cangote e não discutir. rsrs
Desculpe a demora, mas estou no Rio, vim para a formatura de um filho e com pouco tempo para dedicar ao blog.
abração

Cidadão Araçatuba disse...

Rs. Beijo no cangote, como? Preciso comprar um escudo! Italiana, já viu né! Rs...
Obrigado Atena e sucesso a ele nessa nova etapa!
Abração!

Lisavietra disse...

Olá Atena!
Que maravilha de texto!
Como eu estudo gênero eu destrincharia cada parágrafo e daria muito pano pra manga (mas é claro que não vou fazer isso aqui!) rsrsrs

Olha, eu sou feminista, viu? E acho que o termo ganhou um caráter depreciativo. Claro que existem feministas que são reativas, agressivas, magoadas (não tiro de todo a razão delas).
Eu prefiro pregar por aí que o meu feminismo é de todAs e todOs! E, sim, existem muitas correntes teóricas e políticas dentro do Feminismo - como qualquer movimento social, que é também ideologia e posicionamento diante da vida, há divergências.

Acredito tanto nas mulheres quanto nos homens. Aposto em ambos. Trabalho para ambos. Defendo que é preciso aguçar o olhar para as dores masculinas também, porque se não ficamos sendo as eternas vítimas e eles os eternos algozes. E não é bem assim... As relações entre os gêneros têm sido relações de poder - e nas relações de poder todo mundo subjuga e todo mundo é subjugado.

eita!
Já escrevi demais... rs

Um abraço!

Atena disse...

Lisavietra:
Parece que você encontrou o meio termo dentro do seu feminismo. O Buda já dizia que o caminho do meio é o mais saudável.
É por aí que encontraremos o equilíbrio e a igualdade de direitos entre os sexos.
Todo radicalismo leva a extremos e conflitos. Homem é bom? É. Por que então lutar contra eles? rsrs
Obrigada pela participação.
grande abraço