"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

sábado, 17 de julho de 2010

Não leve a vida muito à sério

sorriso
“Não leve a vida muito à sério; você não vai sair vivo dela.”
Ouvi esta frase numa dessas comédias bobocas que Hollywood produz por atacado.
Parando para refletir na segunda parte da frase a conclusão é óbvia: vamos aproveitar a vida enquanto estamos aqui. Ah, já posso ouvir os ohs ... de horror de alguns e de desaprovação de outros.
Essa é uma idéia nova que conheci e incorporei nos últimos anos, no caminho da ascensão. Como a maior parte da humanidade, eu acreditava que devia levar a vida à sério, pois foi isso que meus pais e o restante da sociedade me comunicaram. Ou, melhor dizendo, me condicionaram a acreditar.
É isso: somos todos condicionados. Essa é uma das crenças (uma forte) limitantes que temos. É antiga, provavelmente nasceu quando se estabeleceu a primeira religião do planeta, proveniente da cabeça de algum sacerdote frustrado e infeliz (será que a mulher dele estava fazendo greve de sexo?).
Nada melhor que as religiões (nem todas) para tirar a alegria e leveza das pessoas. Muitas não dizem que nascemos em pecado? Que quem não se portar direito vai queimar no inferno pela eternidade? Que existe um ser chamado diabo que está constantemente nos aterrorizando?
Esse é um enorme absurdo, pois ao mesmo tempo dizem que Deus é amor. Sim, o Criador é amor! Total, absoluto e incondicional amor por sua criação, portanto não julga e muito menos pune! O julgamento e a punição foram inventados pelo homem, novamente é provável que tenham sido sacerdotes para garantirem a submissão e controle dos seguidores aos seus ensinamentos que diziam ter recebido de Deus.
A bem da justiça vamos fazer aqui um parêntese: nos tempos antigos o ser humano não tinha o nível de consciência que tem hoje, portanto um pouco de “chicote” se fazia necessário. Sabe como é, né? Se tivesse sido deixada à solta a humanidade provavelmente já teria se extinguido.
Contudo, hoje estamos no século 21 e continuamos a acreditar nas mesmas coisas ditas na Idade Antiga e Média?
Pare para refletir sobre isso! Expanda sua consciência!
A maior parte da humanidade continua acreditando em verdades, dogmas e postulados de tempos que já se foram e onde as pessoas não tinham a informação e o conhecimento que têm atualmente.
Seriedade demais acarreta em pressão alta, ataques cardíacos, úlcera estomacal e outras doencitas mais.
Aprenda também a distinguir seriedade da aparência de seriedade.
Eu costumo me divertir bastante quando vejo, ao vivo ou na TV, políticos sérios e sisudos falando ou discursando. Até parece que são sinceros e honrados... O pior é que muitos eleitores se deixam enganar pela compostura de suas imagens. Isso é falta de consciência.
Afinal, o que é consciência? É percepção e também conhecimento. Então por falta de consciência eu quero dizer percepção pouco acurada e/ou falta de conhecimento.
Ser sério implica em responsabilidade, sinceridade, ética, honradez, respeito pelo outro e pelos bens do outro, comprometimento, etc. Valores que estão um pouco fora de moda atualmente.
Agora, os super sérios são aqueles sem alegria de viver, preocupados com tudo, fazem tempestade em copo d’água, levando as coisas à ferro e fogo. Muitos, para manter seu status que consideram mais importante do que a si mesmos, são incapazes até de rir (eu tive um colega de faculdade que era assim. Eu ficava na frente dele fazendo caretas na tentativa de, ao menos vê-lo sorrir, mas não obtinha resultado. Ele me chamava de louca e eu, rindo muito, desistia de implicar com ele. Coitado!).
Além do ambiente político, outro lugar onde se observa muitas pessoas sérias ou sisudas são reuniões de acadêmicos. Altamente compenetrados, cada um pensando como vai puxar o tapete do outro... he, he, he
Humor, bom humor, é fundamental para a nossa saúde, tanto física quanto mental.
Agora, para evitar mal entendidos, deixe-me esclarecer o que é levar a vida tão à sério:
Fazer tempestade em copo d’água.
Não aceitar a imperfeição (própria e dos outros).
Ser inflexível com as alterações em seus planos.
Não aceitar as diferenças individuais.
Ter que estar sempre certo.
Perder a calma por qualquer coisa.
Ser escravo da Agenda.
Supervalorizar ou superdimensionar os problemas.
Acreditar que a vida aqui é um vale de lágrimas.
Dar excessiva importância a: “o que os outros vão pensar de mim?”
Carregar o fardo do filho, da mãe, do irmão, do chefe (?), do marido, da esposa, etc.
Contar quantas calorias tem cada refeição.
Não sair à rua sem protetor solar.
Ler diariamente as colunas policiais no jornal.
Preocupar-se com a situação no Oriente Médio (ela vai seguir seu curso com ou sem nossa preocupação).
Enfim, todo esse tipo de pensamentos e atitudes que nos tiram a alegria de viver e aproveitar o que tem de bom na vida e que também nos tiram a criatividade.
Por último, quando se encontrar numa situação difícil, e antes de ter um chilique, faça a si mesmo a seguinte pergunta:
“QUE IMPORTÂNCIA ISTO TERÁ DAQUI A UM ANO?”

16 comentários:

Mari Costa disse...

Oi querida

Adorei seu post e blog.Eu levo ao pe da letra mesmo o titulo do post, pois nao levo a vida a sério mesmo, ao contrario a vida levada a serio, fica sem graça e cinzenta, prefiro a colorida.E com certeza os seres humanos são condicionados, o behaviorismo está ai para provar, o meio ambiente influencia muito no comportamento do ser humano, se ele nao tiver personalidade suficente se deixa levar.Ainda bem que tenho meus proprios conceitos e valores, e sigo a vida da forma que achar melhor sem precisar seguir parametro de ninguem
Bjs no coração

Luciana disse...

Adorei o texto. principalmente a parte que questiona o inferno das religiões tradicionais.

Esse negócio de céu e inferno nunca me convenceu. srsrs. Simplesmente porque fiz todos esse mesmos questionamentos.

As vezes eu ainda levo algumas coisas muito a serio, mas estou parando com isso aos poucos. Algumas coisas são um tanto automaticas, quando eu vejo já era. srsrsrs


Eu admito que não gosto muito da situação do oriente Medio. Mas acho me prcupar com isso perda de tempo. Afinal nada do que eu fizer irá mudar as coisas por lá. srsrsrs

Luciana disse...

só uma pergunta. O quer dizer essa agenda?

Atena disse...

Oi, Florzinha:
É aquela agenda onde marcamos nossos compromissos diários, a de papel ou a eletrônica (mais atual).
Ah, teu pedido sobre futuro post foi anotado.
bjs

Marcos Airosa disse...

Para que levar a vida tão a sério, se a vida é uma alucinante aventura da qual jamais sairemos vivos.

Pelo menos nessa realidade em que estamos. Um abraço.

Luciana disse...

Olha,

Eu ainda não entendi muito bem. Porque de certo modo a agenda é necessária. Por exemplo eu estou atendendo como nutricionista, então preciso de uma agenda para marcar os horarios dos clentes. srsrs

E eu não vejo isso como uma prosão de modo algum pois estou gostando muito de atender e doida para ter uma agenda cheia. srsrsrs

Então eu pergunto o que dignica ser escravo da agenda?

Atena disse...

Florzinha:
ser escravo da Agenda é não conseguir desmarcar um compromisso para atender a família,por exemplo, ou agendar mais de 8 horas diárias de trabalho. É supervalorizar a agenda em detrimento da vida pessoal. Aí também pode estar incluído não saber administrar seu tempo.
Imagino que não é o seu caso.

Luciana disse...

Ahh sim, agora entendo. Realmente não é meu caso.

Beijos!!!

Marcio Alves disse...

ATENA

Gostei muito da sua sala do pensamento, já estou seguindo.

Em relação ao texto, você levantou pontos muito interessantes que nós levam a uma profunda reflexão, para não ficar muito extenso meu comentário, vou sintetizar alguns desses pontos que mais me chamaram a atenção.

Primeiramente sobre a vida...de nós não preocuparmos tanto, ao ponto de esquecermos de aproveitar ela....neste sentindo, os seres humanos em geral, vivem muito mais o passado – estado de nostalgia – e/ou futuro – fazendo planos e mais planos – e esquece de viver o mais obvio e principal....o presente.

Outra importante questão são as religiões que tem se perpetuado através da manipulação do binômio inferno/castigo e céu/recompensa.

Também em relação a consciência que na verdade é uma “ciência com” ou seja, é imposta pelo meio em que vivemos não sendo possível ser totalmente pura em si mesma.

Resumindo: postagem muito boa!

Irei voltar mais vezes aqui.....abraços

Atena disse...

Marcio;
É um prazer tê-lo por aqui. Obrigada pelos elogios.
Tinha esquecido que queria postar sobre viver no presente e você me lembrou. Tá vendo o valor que tem os comentadores?
abraço grande

Blogueiros do Brasil disse...

Orgulhosamente programei uma 'chamada' para este ótimo artigo no novo site dos Blogueiros do Brasil. O post será publicado dia 20/10 às 13h .


Abraços cordiais.

Atena disse...

Tiozão:
mai uma vez, muitíssimo obrigada.
Fico contente em ver que está gostando da leitura por aqui e contribuindo com a sua divulgação.
abração

Gustavo Neto disse...

Lindo o seu post. Tocou muito o ponto que vc diz fazer tempestade em copo d'água e perder a calma por qualquer coisa, só que eu tento parecer ser engraçado pros outros e agradá-los. Aos estou tentando estudar e mudar minhas atitudes, quero aproveitar a vida sem ter que abrir mão dos meus gostos. Obrigado pelos post. Abraço

Atena disse...

Seja bem vindo, Gustavo.
Acho excelente você estar engajado em mudanças, isso é sempre bom.
Viva para si, para o que gosta e que fala ao seu coração e não em função dos outros. Essa é a chave do bem estar.
Obrigada pela visita e abraços

Elismar Oliveira disse...

O pior que sou um pouco assim...e isso também demonstra falta de amor próprio

Atena disse...

Olá, Elismar:
Que pena! Está deixando de curtir a vida e a você mesmo.
Quem sabe está na hora de mudar isso? rsrs
abraços