"No Egito as bibliotecas eram chamadas Tesouro dos remédios da alma. De fato é nelas que se cura a ignorância, a mais perigosa das enfermidades e a origem de todas as outras.”

(Jacques Bossuet).

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Entender um pouco sobre a palavrinha misteriosa: energia

átomo

Em posts posteriores a energia vai ser uma palavra citada, portanto vamos começar, para aqueles que não conhecem, explicando um pouco sobre energia.

“Em geral, o conceito e uso da palavra energia se refere "ao potencial inato para executar trabalho ou realizar uma ação” (Wikipedia) já que a palavra tem sua origem no grego – ergos, que quer dizer trabalho.

Podemos dividir a energia em dois tipos, dependendo se ela está em movimento ou armazenada: a energia em movimento chama-se energia cinética ou dinâmica e a energia armazenada chama-se energia potencial.

Estes são os conceitos que usamos aqui em nossa terceira dimensão produzidos pelo conhecimento acumulado até agora.

O conhecimento científico atual, bem como a visão do mundo são produtos da obra de dois grandes homens: Descartes e Newton.

Descartes queria chegar a um método científico inédito em sua época, um método que trouxesse absoluta certeza sobre os fatos investigados.

Após muito estudo e reflexão chegou à seguinte conclusão: todos os fenômenos complexos podem ser entendidos desde que reduzidos a seus componentes básicos – o reducionismo, que virou sinônimo de método científico.

Para ele, o universo material era como se fosse simples máquina, composta de diferentes partes ou peças independentes e desprovidas de um propósito espiritual.

Newton, na sua própria busca de explicações para o mundo material, acatou as idéias de Descartes. O modelo newtoniano de matéria era atomístico (átomo, em grego: indivisível), ele pensava que a matéria era composta de partículas sólidas, duras e impenetráveis que se moviam exclusivamente por causa da atração gravitacional.

Somente com o advento da Física Quântica, no começo do século 20, é que esta visão da matéria sofreu transformação e ... radical!

A teoria quântica ou mecânica quântica foi formulada por um grupo de físicos, entre os quais Max Planck, Albert Einstein, Niels Bohr, Louis De Broglie, Erwin Schrödinger, Wolfgang Pauli, Werner Heisenberg e Paul Dirac.

A Física Quântica veio demonstrar que o átomo não é aquela partícula sólida que se supunha, mas sim, um elemento vibrátil que está em constante movimento.

A característica mais interessante do átomo é que ele é mais espaço vazio do que matéria. O átomo é enorme em relação ao tamanho do núcleo. Fritjof Capra faz a seguinte comparação: se o átomo tivesse o tamanho da abóbada da Catedral de São Pedro (Vaticano) o núcleo teria o tamanho de um grão de sal.

O porquê do nome quântica :

Max Planck provou que toda energia não é irradiada de forma contínua, mas em “pacotes individuais” que Einstein chamou de quanta.

Em primeiro lugar, para aceitar a Física Quântica, temos de nos libertar do raciocínio cartesiano/newtoniano e esse é o maior obstáculo que os físicos têm enfrentado.

Já no início dos experimentos com átomos os dados obtidos deixaram os cientistas atônitos, pois os eventos no nível quântico são de natureza totalmente estranha e indeterminada, tudo são possibilidades, não há condições de prever resultados. Citando Capra: “o paradoxo partícula/onda forçou os físicos a aceitarem um aspecto da realidade que contestava o próprio fundamento da visão mecanicista do mundo - o conceito de realidade da matéria. Em nível subatômico a matéria não existe com certeza em lugares definidos, em vez disso mostra “tendências para existir” e os eventos atômicos não ocorrem com certeza em tempos definidos e de maneiras definidas, mas antes mostram “tendências para ocorrer”.(O Ponto de Mutação. Ed. Cultrix)

A substância quântica é ao mesmo tempo onda e partícula, mas somente uma delas está disponível num determinado momento. Não se consegue medir ao mesmo tempo a posição exata de um elétron (quando ele se manifesta como partícula) e sua velocidade (quando ele se manifesta como onda).

O mundo que percebemos é real? Os objetos, os seres, a matéria em geral é tudo sólido? Para responder estas questões temos duas explicações na Física Quântica:

a) dentro do átomo os elétrons assumem uma velocidade altíssima, em torno de 960 km/seg. Isso faz com que o átomo aparente ser uma esfera rígida, como acontece com a hélice de um ventilador que girando em alta velocidade parece-nos como um disco.

b) a função de onda do elétron entra em colapso quando interage com outro sistema físico mais amplo, como um aparelho de medição ou o cérebro do observador, assumindo então o aspecto partícula e o modo especial que escolhemos para observar a realidade também determina o que veremos.

Portanto, o mundo não é sólido, é constituído por energia e esta toma forma através do pensamento daqueles que dele participam. A mente de todos é que mantém os átomos e moléculas aglutinados em determinada forma (colapso da função de onda).

O prêmio Nobel Ylya Prigogine assim se manifestou a respeito: “Seja o que for que chamemos realidade, ela só nos é revelada através de uma construção ativa da qual participamos.”

Então vejam: o mundo que vemos, a nossa tão preciosa realidade nada mais é que um constructo que depende da concordância da grande maioria ou seja, pode mudar se assim o quisermos e tivermos a intenção. Os xamãs fazem isso há milênios.

Os indianos, sempre disseram que o mundo em que vivemos é maya=ilusão. Os ocidentais, principalmente acadêmicos e cientistas já riram muito disso, no entanto a Física Quântica agora nos prova sua razão.

Para finalizar é importante lembrar que tudo, absolutamente tudo é energia, inclusive nossos pensamentos, nossos sonhos à noite, nossos desejos, nossas emoções ...tudo.

4 comentários:

TEIA disse...

Olá Atena,como está?
Como sempre me mandando ótimas postagens para a Teia,e essa não poderia ser diferente,muito interessante, quando achamos que sabemos tudo ,descobrimos que não sabemos nem sobre nós mesmos!!!
Parabéns e continue me mandando seus posts!!
Até mais.

Luciana disse...

Adorei o poste!1 Está bem explicado. Muito bom para quem não entende muito do assunto

Eduardo Buchs disse...

Essa teoria da mecânica quântica,seria a base do termo que já vi na internet "Salto Quântico"?,onde sites propõem a realização de um salto quântico em sua vida..

Atena disse...

Sim,Eduardo.
O salto quântico seria a nível de consciência, você pularia de um estado de consciência para outro mais "elevado" ou como diria a física: o elétron pularia de uma órbita para outra mais afastada.
Como humanidade já fizemos esse salto há alguns anos, mas isso foi feito somente por uma parte da humanidade, o que é chamado de "os despertos".
abraços